quarta-feira, 14 de setembro de 2011

4 Instrumental (2011)

O 4 Instrumental começou suas atividades em 2008 em Sabará como uma reunião despretensiosa de amigos para tocar em um festival. O que era para ser brincadeira deu certo, e hoje a banda, em sua segunda formação, é uma das únicas a ter rodado todos os pontos do Circuito Fora do Eixo no estado de Minas Gerais, participando também da Virada Cultural de São Paulo e de festivais como o Jambolada, Campeonato Mineiro de Surf, Gramophone, Transborda e Calango.

A banda se concentrou durante o primeiro semestre de 2011 na gravação de seu primeiro álbum em Buenos Aires, ação realizada em parceria com o Circuito Fora do Eixo Argentina, e que, além do disco, gerou o documentário "Salto no Vazio", produzido por Carou Araújo e com previsão de lançamento em setembro.

Nessa temporada na Argentina a banda realizou dois shows em Buenos Aires e um em La Plata, dividindo palco com a banda Falsos Conejos, que excursionou pelo Brasil no último ano.

Após o lançamento oficial do disco "4.1" no Festival Escambo, em Sabará, o 4Instrumental saiu em uma tour por cidades de Minas Gerais e São Paulo em companhia de Jair Naves e sua banda. O ponto central dessa expriência foi um show no projeto Cedo & Sentado e apresentações na Casa Fora do Eixo, em São Paulo.

A banda sabarense também já é a que mais se apresentou nos festivais do Circuito Mineiro de Festivais Independentes no ano de 2011, e pretende estender o leque de suas apresentações para outros estados, culminando, em dezembro, em uma volta à Argentina para o lançamento internacional do seu primeiro disco.

Preço – R$25,00

Faixas
01 – Não Mais
02 – A Lage, o Sofá e o Asfalto
03 – A Fuga n. 2
04 – Hum
05 – Salto no Vazio
06 – A Fuga das Mulheres ruivas para Venus
07 – Tio Sun
08 – De Tanto Ser

Todas as músicas são do 4 Instrumental

Patrícia Ahmaral – Superpoder (2011)


A cantora mineira Patrícia Ahmaral tem três CDs solos, todos independentes - "Ah!" (1999), produzido por Zeca Baleiro , "Vitrola Alquimista" (2004), produzido por Renato Villaça e pela própria Patrícia e "SUPERPODER, terceiro disco da carreira, produzido por Fernando Nunes, e que está sendo lançado agora em 2011.

Com 13 faixas, "SUPERPODER" traz inéditas de Zeca Baleiro ("De Romance"), Lula Queiroga (faixa título), Totonho ("Eu Mandei Meu Amor Pro Espaço"), Lucinha Turnbull ("Trilha de Luz"), releituras para canções de Belchior ("Alucinação"), Alceu Valença ("Espelho Cristalino") e para a parceria Caetano Veloso/Torquato Neto ("Mamãe Coragem").

Traz ainda canções da própria lavra de Patrícia ("Sorry" e "Do Querer") e uma parceria inédita dela com o compositor Vander Lee ("Revoada"). Complementando o repertório, regravações para "Desejo de Flor" (Vander Lee), "Sexto Andar" (hit dos "Clã" - banda de sucesso em Portugal) e para "O Tempo Vai Apagar" (antigo sucesso na voz de Roberto Carlos).

Embaladas em fusões interessantes de pop, rock, pitadas de percussões e timbres brasileiros, de elementos eletrônicos e até mesmo música lírica, Patrícia Ahmaral oferece aos ouvintes surpresas saborosas, situando-se no que se chama hoje de "nova MPB".

Embora componha, diante do grande e salutar movimento de novas compositoras que têm surgido no país, Patrícia considera-se ainda muito mais uma intérprete. Relê clássicos com personalidade e arranjos instigantes - como já fez com "A Volta do Boêmio" (Adelino Moreira), "Eu Quero É Botar meu Bloco na Rua" (Sérgio Sampaio), "Beijinho Doce" (Cascatinha e Nhanha), "Não Creio em Mais Nada" (Totó), entre outros.
Por outro lado, pinça canções, inéditas ou não, de compositores menos conhecidos, "dando a elas o status de clássicos instantâneos" (Kiko Ferreira - crítico de música). Em seus álbuns, relê autores importantes da cena mais "alternativa" da música brasileira, como Alceu Valença e Raul Seixas, Sérgio Sampaio e Walter Franco, além dos cancionistas Carlos Gomes, Adelino Moreira, entre outros.

A estes alia, com sensibilidade e olhar contemporâneo, autores novos, como Mathilda Kóvak, Luís Capucho, Suely Mesquita e Edvaldo Santana, os mineiros Renato Negrão e Christian Maia, Ricardo Aleixo e Gil Amâncio, além de expoentes como Zeca Baleiro, Chico César, Pedro Luís e Fernanda Takai. Nascida em Belo Horizonte, é considerada uma das principais interpretes da música feita em Minas, por sua geração.

Preço – R$20,00

Faixas
01 - Sexto Andar – Carlos Tê e Helder Gonçalves
02 - Superpoder – Lula Queiroga
03 - Desejo de Flor – Vander Lee
04 - Espelho Cristalino – Alceu Valença
05 - Trilha de Luz – Lucinha Turnbull
06 - Eu Mandei Meu Amor Pro Espaço - Totonho
07 - Mamãe Coragem – Caetano Veloso e Torquato Neto
08 - O Tempo Vai Apagar – Paulo Cesar Barros e Getulio Cortes
09 - De Romance – Zeca Baleiro
10 - Do Querer – Patricia Ahmaral
11 - Sorry, Baby - Patricia Ahmaral
12 – Alucinação - Belchior
13 – Revoada – Vander Lee e Patricia Ahmaral

terça-feira, 13 de setembro de 2011

RAÇA DMCS – Poetas da Favela (2010)

A poesia que desce dos morros
O grupo de Rap RAÇA DMCS surgiu em 1992 na cidade de Betim - MG, as letras são identificadas pelo forte apelo social, abordando temas poéticos, ecléticos e inusitados, e de estilo livre com muita criatividade e poesia, músicas aliadas á literatura e a diversidade Brasileira. Alem se levar para os palcos um verdadeiro espetáculo com os quatro elementos da cultura HIP HOP, chama muita atenção por se aventurar em estilos não muito comuns ao seu gênero, destaque no cenário artístico do estado.

Na bagagem diversas apresentações, e premiações alem de ser noticias nos principais meios de publicidade, grupo já participao em shows de grandes nomes da música brasileira e do Rap nacional, tais como Renegado, Racionais MCs, Gabriel o pensador, Marcelo D2, RZO, GOG, o Rappa, Elba Ramalho, Banda Berimbronw ...

Paralelamente ao trabalho musical, RAÇA DMCS participa de grandes eventos e trabalhos voluntários de abrangência cultural e social, que desenvolve nas comunidades por onde passa trabalhos com grandes com perspectivas de continuidade, alem de projetos sociais desenvolvidos em escolas, centros populares de cultura, igrejas, centros de recuperação, também desenvolvendo oficinas, palestras educativas e eventos beneficentes que causam grande impacto no desenvolvimento cultural do estado.
O grupo RAÇA DMCS é formado por: Tula J - Ben-Bum - Aliado Lú.

Preço – R$10,00

Faixas
01 – Introdução: a poesia que desce dos morros
02 – A Bola da Vez
03 – Deixa Rolar
04 – Negra Simpatia
05 – Perguntas sem Respostas
06 – Vamos mudar o Mundo
07 – A nossa Colonia Santa Izabel
08 – A Malandragem toma conta
09 – Impacto Fulminante
10 – Na Humildade
11 – Nunca diga Adeus
12 – Haja palavras para dizer
13 – Se trombar já era
14 – A Moda Antiga
15 – Hino de Betim rap
16 – Hino Nacional rap

Ceumar – Meu Nome: Live in São Paulo (2009)

Ceumar desembarcou em São Paulo, vinda de Itanhandu (MG), em 1995. De lá para cá conduziu sua carreira de maneira independente, produzindo e distribuindo seus discos, além de participar ativamente de projetos coletivos e variados.

Dindinha (2000), seu disco de estréia produzido por Zeca Baleiro, foi muito bem recebido pela crítica. Em 2003, lança Sempreviva!, em que assina a produção musical e arranjos. Dois anos mais tarde, Ceumar e Dante Ozzetti participam juntos do Festival da TV Cultura e a partir daí criam juntos o CD Achou!, pela gravadora MCD, com composições de Dante, em parcerias com autores diversos como Luiz Tatit, Chico César, Zeca Baleiro, Zélia Duncan, Alzira Espíndola e Kléber Albuquerque.

Em sua trajetória, desde o lançamento de Dindinha, as interpretações da cantora Ceumar já receberam elogios da crítica especializada tais como: “beleza sem excessos de voz”. Agora, com o lançamento de Meu Nome – seu quarto CD e título de estréia do selo Circus Produções Fonográficas – Ceumar apresenta ao público um lado pouco conhecido: o de compositora. Todas as 20 músicas do disco levam sua assinatura.
Meu Nome, produzido pelo músico e produtor holandês Ben Mendes, é o registro ao vivo dos shows realizados no Teatro Fecap, em maio e junho de 2008, em que, basicamente, Ceumar só teve a companhia no palco de seus violões.

Das 20 faixas do novo trabalho, oito têm letra e música de sua autoria. Nas demais, há espaço para compor com parceiros já conhecidos como Dante Ozzetti, Kléber Albuquerque, Gero Camilo, Tata Fernandes e Sérgio Pererê, além de criar canções pela primeira vez com o pianista cubano Yaniel Matos, Estrela Ruiz Leminski, Mathilda Kóvak e Etel Frota.

Atualmente Ceumar divide seu tempo entre shows e concertos no Brasil e na Europa, sobretudo na Holanda. Lá se apresenta junto ao trio jazzista liderado pelo pianista Mike Del Ferro. Ceumar conta que essa experiência permite a ela “alçar vôos sem perder de vista as fontes de inspiração: o Brasil e o mundo”.
Preço – R$25,00
Faixas
01.Reinvento (Ceumar/Estrela Ruiz Leminski)
02.Parque da Paz (Ceumar)
03.Planeta coração (Ceumar)
04.Nariz do palhaço (Ceumar/Tata Fernandes )
05.Jabuticaba madura (Ceumar)
06.Samba pra Fabi (Ceumar)
07.Gira de meninos (Ceumar/Sérgio Pererê)
08.Oiá (Sérgio Pererê)
09.Mãe (Ceumar)
10.Meu mundo (Ceumar/Tata Fernandes)
11.Nada combinado (ceumar)
12.Mochilinha de porquês (Ceumar/Gero Camilo)
13.Um dia de chuva (Yaniel Matos/Du Moreira/Ricardo Mosca/Ceumar)
14.Dança (Yaniel Matos / Ceumar)
15.Meio bossa (Ceumar)
16.Feliz e triste (Ceumar/Kléber Albuquerque)
17.Oração do anjo (Ceumar/Mathilda Kóvak)
18.A comadre (Ceumar/Etel Frota)
19.Maracatubarão (Ceumar)
20.Ciranda (Dante Ozzetti/Ceumar)

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Toninho Horta – A Música audaz de Toninho Horta (2011)

Toninho Horta, um dos maiores compositores e instrumentistas do mundo, ganha documentário dirigido por Fernando Libânio Intitulado “A Música Audaz de Toninho Horta”, o filme retrata a trajetória desta personalidade musical única.

O cineasta Fernando Libânio estreia nos cinemas com um documentário de média-metragem sobre a obra de um dos mais consagrados guitarristas do mundo, o mineiro Toninho Horta.

Com depoimentos de grandes nomes da música nacional e internacional, como Milton Nascimento, Raul de Souza, John Pizzarelli e Wagner Tiso, entre outros, e, também, fotos pessoais e imagens de arquivo inéditas, Fernando Libânio produziu e dirigiu o documentário A Música Audaz de Toninho Horta, uma co-produção Acanga Filmes e Terra dos Pássaros Produções.

Preço – R$35,00

Marcus Viana – O Clone Ao Vivo (2011)

DVD GRANDES TEMAS DE O CLONE - AO VIVO
Marcus Viana e Transfônica Orkestas
Participações especiais:
Paula Fernandes
Adriana Mezzadri
Djalma Correa
Malu Aires
Inclui:
* Discografia
* Depoimento de Marcus Viana
* Clip Sob o Sol

Preço – R$30,00

Faixas
01- Maktub (Instrumental)
02- Sob o Sol
03- A Miragen
04- Bajo El Sol
05- Espiritual
06- Entre Dois Mundos
07- Marcas de Ayer
08- Maktub (Completa)

Extras:
* A Trilha de "O Clone" (Depoimento Marcus Viana)
* Maktub No Scala Rio
* Sob o Sol (Video Clip)
* Sob o Sol II
* Discografia
* Créditos

Julgamento – Muito Além (2011)

Adicione guitarra, baixo, batera, escaleta e dois DJs a poesia do rap made in BH: Assim é o Julgamento, cuja essência musical vai muito além e desconstrói o senso comum, para a sorte do público de festivais como Conexão Vivo, Eletrônika e Transborda, que já conhece bem o grupo.

O som tem peso e os versos, conceito. Para emitir um julgamento sobre algo ou alguém é necessário antes de tudo conhecimento, que se traduz no amplo universo de referências apresentado por Roger Deff, Voz Khumallo e Ricardo.

HD nos vocais, Luiz Prestes (baixo), Gusmão (bateria e escaleta), Helder (guitarra), Tobias e Giffoni (DJs).
O EP Muito Além, produzido por Sérgio Giffoni é o novo trabalho lançado na rede. As seis faixas que compõe o álbum trazem idéias que reverberam a comunicação como poder transformador até a trajetória de quem opta por deixar a arte correr nas veias e fazer dela uma história, como o grupo faz com propriedade.

Preço – R$7,00

Faixas
01 – Intro
02 – O poder da palavra
03 – Trajetória
04 – E como diz
05 – Desconstruindo
06 – Muito além

Todas as músicas compostas e arranjadas por Julgamento.

Wagner Cose e Geraldo Viana – Rosas para Noel (2011)

O CD “Rosas Para Noel”, uma parceria do cantor Wagner Cosse com o violonista Geraldo Vianna.
O álbum é uma homenagem ao Poeta da Vila, Noel Rosa, em comemoração ao centenário de nascimento do artista.

O disco, gravado ao vivo no final do ano passado, tem em seu repertório clássicos como “Com Que Roupa?”, “Palpite Infeliz”, “Último Desejo”, “Três apitos”, “Dama do Cabaré”, entre outros.

Preço – R$20,00

Faixas
01 – Com que roupa?
02 – Palpite Infeliz
03 – Eu sei Sofrer
04 – Dama do Cabaré
05 – Mentir
06 – João Ninguém
07 – Quando o Samba Acabou
08 – Último Desejo
09 – Três Apitos
10 – Não tem Tradução
11 – Seja breve
12 – Tipo Zero
13 – Cansei de Implorar
14 – Você vai se Quiser / Até Amanhã / fita Amarela

Thelmo Lins – Samba Sambá Sambô (2011)

Em "Samba Sambá Sambô", Thelmo apresenta 12 músicas de Pirulito da Vila, morador da cidade de Itabirito, que também é terra natal do cantor. "Há quatro anos vi um show do Pirulito e fiquei muito impressionado com o repertório dele. A partir daí, criou-se um laço entre a gente", conta.

O músico explica que, nas composições do conterrâneo, encontrou inúmeros elementos que o agradaram. "O Pirulito compõe de uma maneira muito casada entre letra e melodia. E as músicas dele são comentários, pequenas crônicas do cotidiano", explica Thelmo.

Nos sambas presentes no disco, que teve seu repertório escolhido entre mais de 40 músicas, estão histórias como a da canção "Mercearia Paraopeba", que fala dos produtos vendidos em um tradicional mercado de Itabirito. Já em "Se Liga Malandro", ele dá conselhos para um músico com problemas amorosos.

Composições, como afirma o cantor, repletas de boemia, homenagens às mulheres e da religiosidade característica do povo mineiro.

Mas apesar de quase todo composto por sambas, o CD ainda traz outros gêneros musicais, como o bolero, o jazz e o maxixe. "Eu quis mostrar outro lado do universo do Pirulito, que tem muitas possibilidades", diz.

Preço – R$20,00

Faixas
01 - FALAR DE SAMBA
02 - MERCEARIA PARAOPEBA
03 - SAMBA DEMOCRÁTICO (SAMBA DO RICO E DO POBRE)
04 - TONINHO DO CAJÚ
05 - SE LIGA, MALANDRO
06 - TEM ALGUEM PIOR QUE EU
07 - A ALVORADA DO AMOR
08 - QUEM SABE ASSIM
09 - BOLERO
10 - TODOS OS SANTOS
11 - TERNO DO JOÃO
12 - SAMBA SAMBÁ SAMBÔ

Todas as músicas são de Pirulito da Vila

Augusto Pio e Leonardo Araújo – Route 66 (2011)

Veteranos da noite em Belo Horizonte, os músicos mineiros Augusto Pio e Leonardo Araújo se conheceram há 10 anos tocando no mesmo bar, cada um com sua banda. Como o primeiro chegava mais cedo para passar o som, acabava dando “canja” no show do segundo. Descobriram afinidade musical no bom e velho rock and roll e, desde então, passaram a se apresentar na cidade tocando só o que gostavam (America, Beatles, Creedence etc.). Os dois comemoram essa amizade nesta quinta à noite, na Choperia Status, com show de lançamento do CD Route 66 (Gvianna), espécie de nata desse repertório.

Com produção musical e participação do violonista mineiro Geraldo Vianna, o álbum é composto por 12 sucessos internacionais pinçados dos shows do duo, que domina cerca de 300 dessas canções. “Nosso objetivo é mesmo fazer com que grandes sucessos do rock and roll se perpetuem, além de mostrar à rapaziada de hoje o que é esse ritmo que mudou os usos e costumes do mundo todo”, conta Augusto. Ele e Leonardo tocam guitarra e violão e se revezam na tarefa de cantar. Já o produtor contribuiu com teclados e programação eletrônica.

O duo abre com a clássica Skyline pigeon, de Elton John, e prossegue com Lay lady lay (Bob Dylan), Wish you were here (Pink Floyd) e Something (Beatles). “Optamos por essas músicas por achar que conseguiríamos deixar nossa marca em cada uma, sem aquela preocupação de fazer tudo igualzinho. Não vejo risco algum nisso, desde que o trabalho seja feito com seriedade e sem querer inventar demais”, analisa Augusto.

Interpretações para canções poderosas de Eagles, The Doors, Creedence, Supertramp e Dire Straits são apresentadas até o apoteótico final, com a “proibida” Stairway to heaven, hit maior do Led Zepellin. Vai causar polêmica? “Acho que não, pois o nosso arranjo foi aprovado por pessoas competentes. Além disso, é a música mais pedida em nossos shows e também a mais aplaudida, arrancando, inclusive, aplausos de pé. Diante disso, nos enchemos de coragem e resolvemos gravá-la, porém tentando deixar um pouco da nossa marca”, aposta.
*por Eduardo Tristão Girão

Preço – R$28,00

Faixas
01. Skyline Pigeon (Elton John e Bernie Taupin)
02. Lay, lay, Lay (Bob Dylan)
03. Wish you were here (Roger Waters e David Gilmour)
04. Something (George Harrison)
05. Breakfast in America (Roger Hodgsone Rochard Davies)
06. Who’ll Stop the Rain? (John Forgerty)
07. Hotel California (Don Felder, Don Henley e Glenn Lewis)
08. Mr. Tambourine Man ((Bid Dylan)
09. Satand By Me (Ben E. king)
10. Light My Fire (Jim Morrison)
11. Sultans of Swing (Mark Knopfler)
12. Stairway to Heaven (Jimmy Page e Robert Plant)

Babilak Bah – Biografia dos Homens Inquietos (2011)

Babilak Bah em seu segundo CD autoral: "Biografia de Homens Inquietos" com o qual o artista pretende destacar composições inéditas e sua inclinação para o universo da palavra criando uma interlocução entre o experimentalismo e a canção.

Artista autodidata, percussionista, compositor e poeta, Bah concebeu e criou o "Enxadário: orquestra de enxadas", através de experimentações sonoras para explorar os timbres desse instrumento até então utilizado como ferramenta de trabalho e o grupoTrem Tan Tan.

Criador compulsivo e dono do que se pode chamar de "teimosia artística", Bah se autodenomina mais um "propositor" do que um compositor e o que norteia o fazer artístico de Babilak em mais de 20 anos de carreira é a persistência de construir um trabalho exclusivamente autoral, singular, com identidade própria.

Preço – R$7,00

Faixas
01 – Ladrão da Melodia
02 – Urucumnacara
03 – Moçambique
04 – Almin
05 – Zumbi Prometeu
06 – Olhar Eletrônico
07 – Diesel
08 – Se eu coubesse em Ti
09 – Anafilático
10 – Jesus é Broder de Xangô
11 - Biografia dos Homens Inquietos
12 – Zé Contemplador
13 – Yanomami
14 – Cebeça de Prego
15 – Santo do Pau Oco

Todas as músicas são de Babilak Bah

Jader Joanes (2011)

Jader Joanes natural de Belo Horizonte é cantor, compositor, guitarrista e violonista. Estudou no Conservatório Mineiro de Música da UFMG, canto e violão erudito.
Foi vocalista da banda mineira pop Vil Metal onde gravou dois cd’s (VIL METAL em 2000 - VIL METAL (ao vivo) em 2002). Com a mesma banda ganhou prêmio na MTV Brasil como a melhor banda independente.
Tocou com vários artistas de renome nacional, como Pepeu Gomes, Victor e Leo, César Menotti e Fabiano, Paula Fernandes entre outros. Compositor da música “Lugar melhor que BH” em parceria com César Menotti.
Em 2003 foi ao Japão em turnê de seis meses, mostrar o seu trabalho.
Em 2010 gravou seu primeiro álbum solo que leva o título de “jader jOanes”.

Preço – R$5,00

Faixas
01 – Eu só Quero – Jader Joanes
02 – Olfato - Jader Joanes
03 – Lugar Melhor que BH - Jader Joanes e Cesár Menotti
04 – Vai na Fé - Jader Joanes
05 – Sabará - Jader Joanes e Jarbas Joanes
06 – Quatro Estações - Jader Joanes
07 – Não me deixe Chorar - Jader Joanes e Orlando Mota
08 – Partida - Jader Joanes
09 – A Vida Vai - Jader Joanes
10 – Gênio - Jader Joanes

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Conexão Vivo apresenta - Feira do Vinil e CDs Independentes

“A cultura do vinil tem crescido a cada mês na capital mineira”, destaca Edu Pampani, organizador da Feira do Vinil e CDs Independentes, que no próximo dia 10 de setembro (sábado), das 10 às 17 horas, na Galeria Inconfidentes / Savassi, terá sua 23ª edição em Belo Horizonte.

Com edições mensais, a feira conta hoje com doze expositores de lojas especializadas em discos de vinil, e acolhe colecionadores, pesquisadores musicais e outros amantes da cultura dos “bolachões”.

Além de encontrar vinis em tamanhos e formatos diversos – que vão desde os compactos de sete polegadas aos discos de dez e 12 polegadas – para compra, venda e troca, o visitante também pode conferir na Feira um grande número de CDs de artistas da música independente dos diversos estados do Brasil, com um representativo e especial acervo da música mineira.

Nessa edição da feira, em celebração da nova sede da Discoteca Pública, foi lançada a promoção “CD é 10”, onde qualquer CD estará ao preço de R$ 10,00.

23ª Feira do Vinil e CDs Independentes
Data: 10 de setembro (sábado), das 10 às 17 horas
Local: Galeria Inconfidentes (rua Pernambuco, 1.000, Savassi, BH)
Entrada franca
Informações: (31) 2514-5710 / 9215-5142