quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Vitrolas – Liberdade (2011)

Um quarteto mineiro que baseia seu som na emoção, transparência poética e na liberdade de fazer canções que façam parte da vida das pessoas. Seus três álbuns são, em versos e musicalidade, o sentimento do ser humano em movimento e evolução.

A sonoridade é calcada no rock em sua forma mais clássica, as influências brasileiras são sentidas nas delicadas e assobiáveis melodias, harmonias e na poesia das letras.

A diversidade de timbres e interpretações presentes nas suas três vozes, trazem ainda mais personalidade ao som da banda, permitindo ao Vitrolas focar apenas no sentimento de suas canções.

Liberdade, o novo álbum, foi desenvolvido em forma de uma história. São três EPs de cinco músicas que se completam e tem início com o insight sobre o que é felicidade e o que se faz pra ser feliz.

A trilogia mira o ser humano em sua essência, como uma espécie. Seus capítulos mostram o homem entrando em contato com sua verdade, medos e virtudes, se reinventando em busca de algo mais.

Tenso, honesto e à flor da pele, Liberdade definitivamente encerra uma eternidade pra começar outra.

Preço – R$20,00

CD 1
01 - O presente - Fernando Persiano e Paulinho Rodriguez 
02 - Não é só eu que sinto assim - Fernando Persiano
03 - Feliz Aniversário - Paulinho Rodriguez
04 - O que não se refaz - Fernando Persiano
05 - Vou em paz - Paulinho Rodriguez

CD 2
06 - Liberdade - Fernando Persiano
07 - O cisco - Fernando Persiano
08 - Ela - Fernando Persiano
09 - Muito Obrigado - Fernando Persiano
10 - Corram - Berna Dias e Fernando Persiano

CD 3
11 - Então - Fernando Persiano
12 - Odisséia - Paulinho Rodriguez
13 - Menino - Paulinho Rodriguez
14 - É o fim - Fábio Leal / Paulinho Rodriguez
15 - Olhos Pequenos - Fernando Persiano

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Das Quebradas – Verdadeiro ou Falso (2011)

O cantor e compositor Das Quebradas “DQ” ganhou esse nome por morar em vários bairros da capital mineira. Tendo a infância e a adolescência influenciadas pelo RAP, “o som do gueto”, DQ vem dividindo palco com grandes nomes da música nacional e internacional como Mims, Mano Brow, Mv Bill, Dj technician (Jay-z) e Thaíde e surge como o mais novo fruto do Hip-Hop brasileiro.

Preço – R$5,00

Faixas:
01 – Rap VS Rep
02 – Verdadeiro ou Falso
03 – Ela Gosta de Dinheiro
04 – Mil Tracks
05 – Sei Que Você Gosta de Mim
06 – Biquíni
07 – Adoro
08 – Fala Fofoqueira
09 – Está Escrito
10 – Via Bluethooth
11 – Me Diz o Que Você Quer
12 – Eu Lembro
13 – Todo Ano é Assim (Remix)

Todas as músicas de autoria de DQ

Best Place – Um Passo a Mais (2009) Entre Violões e Heróis (2011)

Faixas
01 – Perdido em Você – Felipe Tampa
02 – Olhos Verdes – Best Place
03 – Rawc – Best Place
04 – Track 1 – Best Place

Preço – R$10,00

Faixas
01 – Ponto de Partida
02 – Requiém
03 – Nostalgia
04 – Peças Pra me Concluir

Todas as músicas de autoria de Best Place

Preço – R$10,00

Formada em Agosto de 2007, a banda Best Place tem como objetivo criar um som original e alternativo. Crescer, evoluir musicalmente e adquirir nosso espaço na mente e no coração das pessoas, essas são nossas metas.

A cada dia que se passa, tentamos nos renovar e guardar todo aprendizado que ganhamos ao longo de nossas vidas, com tantas pessoas que nos cercam das quais nunca esqueceremos.

Em 2009 a Best Place lança seu primeiro EP intitulado 'Um passo a Mais' que cobre toda a estrada da banda ate aquele presente momento. Com canções como 'Perdido em Você' e 'Olhos Verdes' a banda conquistou o respeito e reconhecimento de muitos.

No ano seguinte, a banda apresenta ao seu publico seu primeiro vídeo: a música 'Perdido em Você' ganha sua versão visual com a grande participação de Felipe Tampa (ex Rezet/Nihil).

A Best Place foi contemplada com a participação no festival da radio 98 FM: Palco 98 - VIVO ON FESTIVAL que contou com a participação de bandas de Minas Gerais selecionadas por todo Estado.

Apos um longo período colhendo os frutos de um trabalho árduo, em 2011 a banda lança seu novo EP chamado 'Entre Vilões e Heróis'. Um trabalho voltado ao amadurecimento da banda que pode ser sentido nas letras e melodias do novo disco.

Muito ainda esta por vir. Agradecemos o apoio de todos, família, amigos e outros que ainda virão. Este é o nosso sonho, esta e a banda Best Place.


www.myspace.com/bandabestplace
www.soundcloud.com/bandabestplace
www.youtube.com/bestplacevideo
 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

A Música de Makely Ka (2012)

No mês passado eu fiz uma homenagem o nosso querido compositor Mestre Jonas com uma coletânea de músicas dele que haviam sido gravadas por outras pessoas, em CDs de vários artistas/bandas de Belo Horizonte.

Foi dai que nasceu a idéia de todo mês homenagear um compositor da nova safra da música mineira, no mês de fevereiro o escolhido foi Makeky Ka, nascido em Valença do Piauí e criado em Barão de Cocais, no interior de Minas, ele chegou em Belo Horizonte em 1991 para fazer eletrônica no CEFET.

Makely Ka é um dos principais compositores de sua geração. Lançou os livros de poemas Objeto Livro (1998) e Ego Excêntrico (2003). Ao lado dos parceiros Kristoff Silva e Pablo Castro, lançou em 2003 o CD A Outra Cidade.  

Em 2006 lançou juntamente com a cantora Maísa Moura os CD Danaide. No ano seguinte lançou seu primeiro disco solo, Autófago. Desde 2006 edita a Revista de Autofagia o lado do poeta Bruno Brum.

Conta atualmente com mais de 80 canções gravadas por diversos intérpretes no Brasil e no exterior.  Como performer, destaca-se pela sua verve crítica e irônica, sem perder o humor inteligente. Já se apresentou nos principais palcos do Brasil e excursiona pela Europa desde 2007.

Sua produção artística está diretamente relacionada à atuação política através de ações ligadas ao cooperativismo, à economia criativa, à auto-gestão e à contra-indústria.

Esta coletânea conta com músicas gravadas em 15 CDs diferentes, no período de 2003 a 2011 e em sua grande maioria interpretada por vozes femininas, vale a pena baixar e escutar...


Faixas:
01 - Andante (Pablo Castro e Makely Ka) canta Marina Machado e Regina Spósito
02 - Xote Polaco (Kristoff Silva e Makely Ka) canta Kristoff Silva
03 - O Chamador (Makely Ka) canta Titane
04 - Atemporal (Pablo, Kristoff e Makely) canta Pablo, Kristoff e Makely
05 - Costura (Dudu Nicácio e Makely Ka) canta Leopoldina
06 - Samba Sim (Marku e Makely Ka) canta Julia Ribas
07 - A Luz é como a Água (Flávio Henrique e Makely Ka) canta Mariana Nunes
08 – Monotonia Gris (Makely Ka e Renato Negrão) canta Maísa Moura
09 - Mar Deserto (Kristoff Silva e Makely Ka) canta Kristoff Silva
10 - Solstício de Inverno (Chico Saraiva e Makely Ka) canta Maísa Moura
11 - O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (Makely Ka e Aline Calixto) canta Aline Calixto
12 - Impagável (Rafael Martini e Makely Ka) canta Leonora Weissmann
13 - Eu Não (Makely Ka) canta Titane
14 – O Amor (Flávio Henrique, Renato Negrão e Makely Ka) canta Regina Spósito
15 - Uma Confabula (Makely Ka) voz e texto Makely Ka
16 - Câmara Escura (Antonio Loureiro e Makely Ka) canta Sérgio Pererê
17 – Santuário (Mestre Jonas e Makely Ka) canta Mestre Jonas
18 – Fio Desencapado (Makely Ka) canta Juliana Perdigão
19 – Queixumes (Makely Ka e Renato Negrão) canta Alda Rezende
20 – Samba Solto (Makely Ka e Paulo Beto) canta Alda Rezende

Música Maestro!!!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Rubens de Rubim – Luar Bonito

Preço - R$15,00

Faixas:
01 – Recado – Rubens de Rubim
02 – Sexto Sentido – Rubens de Rubim
03 – Voar – Roberto Ornelas e Eustáquio Sena
04 – Sol Vermelho – Amado Batista e Reginaldo Sodré
05 – Irmão Amigo – Rubens de Rubim
06 – Lua Catula – Renato Teixeira
07 – Passarela – Nilo Teles
08 – Precisamos de Amores – Paulinho Pedra Azul
09 – Diamantina – Tino Gomes e Georgino Júnior
10 – Faca Serrada – Caca Bloise e Aroldo Santarosa
11 – Boi de Carro – Rubens de Rubim

Rubens de Rubim – Prosa de Um Sonhador


Preço - R$15,00

Faixas:
01 – Jamais Te Amei
02 – Convite
03 – Bicho do Mato
04 – Menino da Estrada Azul
05 – Livre Cigano
06 – Procurando Seu Olhar
07 – Mil Noites
08 – Prosa de Um Sonhador
09 – Invasão de Sentimentos
10 – A Ciranda da Lua Com O Sol
11 – Salobinho

Todas as músicas são de autoria de Rubens de Rubim  

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Pequena Morte – Defenestra (2011)

Devo dizer de uma vez: Pequena Morte é pra quem gosta de boa festa!

Digo logo porque com esse nome a banda já surpreendeu muita gente que esperava escutar algum "death metal" ou "rock paulera", como diria a titia. Às vezes a coisa ainda complica mais quando se fala que na verdade trata-se de Ska, pois o termo de fato não é familiar pra muita gente.

O ritmo jamaicano que deu origem ao Reggae revelou-se um caminho natural diante da busca por levadas dançantes dentro do heterogêneo balaio de influências que a banda carrega. O Ska parece ser uma dessas células rítmicas com capacidade de praticamente te obrigar a mexer o corpo, numa espécie de ressonância com o Mar do Caribe, só que antes do vazamento de Petróleo. Aliás, acho que ali no Golfo do México o nome Pequena Morte poderia até ser associado à festa. Não é por ali que se comemora o Dia de los Muertos?

Antropologias à parte, a verdade é que esse nome foi herdado da literatura francesa, numa tradução do termo "Petite Mort", usado pra descrever experiências de extremo prazer, em que somos envolvidos de tal forma que a mente se esvazia por alguns segundos, numa espécie de pulsão de morte seguida de um incremento à vida que seguia antes dessa experiência. Nada mais que uma bela metáfora pra o orgasmo.

É nessa semântica que mora a pretensão da Pequena Morte: propor a festa como se fosse a única coisa que nos resta.

A banda Pequena Morte surgiu em Belo Horizonte no ano de 2006. Virou sinônimo de boa farra na cidade graças ao imperativo dançante do ska. Desde a passagem por Itália e Letônia em 2009, empolgaram-se com a idéia de propor intercâmbio entre bandas e já levaram para o Festival S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L.(*) bandas de diversos sotaques, entre eles o da Letônia, o argentino, o britânico, o pernambucano e claro, o belorizontino!

Em outros eventos, já dividiram palco com Skatalites(!), B-Negão, Móveis Coloniais de Acaju, Macaco Bong, Dead Fish, Raimundos, Do Amor e muitos outros. Além disso, foram a banda de apoio de Jackie Bernard, quando o lendário vocalista dos Kingstonians esteve pelo Brasil, incendiou a festa de encerramento da Feira Música Brasil 2010 e mantém-se entre os vídeos mais assistidos no site do Programa Alto-Falante, da Rede Minas.
*por Tamás Bodolay

Preço – R$15,00

Faixas
01 – 12 de Maio
02 - To nem Ai
03 – Gangska (partir e viver)
04 – Xamorrê
05 – Ideal
06 – C.V.
07 – Barauê
08 – Bom!
09 – Pouco a Pouco
10 – Música pro Paulo

Todas as músicas são de autoria de Pequena Morte

Diego Bemquerer - Diego Bemquerer (2011)

DIEGO BEMQUERER é um jovem cantor e violonista que acaba de gravar o segundo disco de sua carreira. Este disco consolida o trabalho do Diego, voltado para o POP. O disco tem dez faixas e mostra o trabalho autoral de Diego e canções que representam o seu trabalho atual, sendo quatro de sua autoria. Uma delas é “Contraponto”, música que marcou o início da sua carreira como compositor, e foi selecionada na etapa regional do I Festival de Música da ARPUB (Associação das Rádios Públicas do Brasil), em 2009. Outra música de sua autoria “Tempo Quatro” foi selecionada na etapa regional do II Festival de Música da ARPUB, em 2010.

Entre outras músicas, o repertório do disco conta com uma releitura de “Esquadros” de Adriana Calcanhotto e “Como Aconteceu” e “25 Horas por Dia” que são parcerias de Leo Minax, cantor e compositor mineiro radicado na Espanha há mais de vinte anos, com os cantores e compositores Alex Ferreira (da República Dominicana) e Paco Cifuentes (Espanhol), respectivamente.

A equipe técnica que participou das gravações do disco é formada por: Diego Bemquerer (voz), Flávio Henrique (teclado), Kadu Vianna (violões e guitarra); Arthur Rezende (bateria) e Adriano Campagnani (contrabaixo). A direção musical foi de Flávio Henrique e Kadu Vianna e os arranjos de Flávio Henrique, Kadu Vianna, Diego Bemquerer e músicos participantes.

Apesar de jovem (19 anos), Diego já emplacou alguns hits nas rádios mineiras como “Love Leve” (de Flávio Henrique e Vander Lee) e “Contraponto” (do próprio Diego) e já dividiu palcos com grandes nomes da música mineira.

Preço – R$20,00


Faixas
01 - 25 Horas por Dia - Leo Minax e Paco Cifuentes
02 - Tempo Quatro - Diego Bemquerer
03 - Como Aconteceu - Leo Minax e Alex Ferreira
04 - Aqui e Agora - Diego Bemquerer
05 - Esquadros - Adriana Calcanhotto
06 - Espero - Bemquerer
07 - Contraponto - Diego Bemquerer
08 - Abismo de Estrelas - Cláudio Mourão e Rogério Mourão
09 - Algo no Ar - Flávio Henrique, Kadu Vianna e Brisa Marques
10 - Às Vezes - Pedro Morais

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Lô Borges – Horizonte Vertical (2011)

Em uma canção do excelente disco “Bhanda” de 2006, Lô Borges entre breves considerações sobre calma e pressa cantava: “nosso passado certamente não detém o tempo que já vem/e vou amando pela vida/minha receita sempre natural”. Versos certeiros desse mineiro nascido em 1952 que sempre administrou a vida de maneira espontânea e com um carinho imenso pela música.

“Horizonte Vertical” lançado no ano passado com apoio do projeto Natura Musical e distribuição pela Sony Music, é mais um álbum inerente a opção que o músico fez a partir de “Um Dia e Meio” de 2003 em elaborar mais trabalhos com inéditas. Essa opção se consolidou como um grande acerto e resultou também no já citado “Bhanda” de 2006 e em “Harmonia” de 2009.

Com ajuda dos companheiros de banda Barral e Robinson Matos também na produção, Lô Borges faz com dedicação aquilo que sabe tão bem. Monta melodias como se fosse um quebra cabeça minucioso na união com letras e instrumentos. Mais do que os anteriores, “Horizonte Vertical” é um disco claro, de bem com a vida e com versos que buscam tranquilidade e tratam sobre o amor em geral.

São 12 faixas onde se faz presente a parceria constante com Márcio Borges e Ronaldo Bastos, assim como Samuel Rosa e Nando Reis na música que intitula o registro. A novidade fica por conta da esposa Patricia Maês, que colabora em cinco canções. Além das parcerias anotadas nas letras, Samuel Rosa, Fernanda Takai e Milton Nascimento abrilhantam estas em elegantes duelos vocais.

Das participações, Fernanda Takai é a que brilha mais. Começa em inglês com “On Venus” com trechos como “on the road, a rolling stone/ i won’t look back for Dylan” e passa por “Antes do Sol”, uma belíssima canção sobre otimismo que começou a ser composta ainda em meados dos anos 80. Depois desembarca na ensolarada e amorosa “Xananã”, para ainda chegar na beatle “Quem Me Chama”.

Em “Nenhum Segredo” é a vez de Samuel Rosa aparecer bem em um rock sessentista onde mostra a exata dimensão que a obra de Lô Borges tem na carreira do Skank. Já Milton Nascimento está na afirmação de postura de “Da Nossa Criação” (“no rastro dos pedaços dos nossos passos/na imensidão onde se encontra a chama/que não se apaga da nossa criação”), assim como na brincadeira de “Mantra Bituca”.

Fora as sociedades (que também se estendem a fantasia da canção que dá nome ao disco), Lô Borges resplandece sozinho na paixão arrebatadora de “De Mais Ninguém”, na balada conduzida com piano e teclados de “O Seu Olhar”, na viagem do tempo de “Você e Eu” e no pequeno rock inglês de “Canção Mais Além”, que com a participação de um coro de crianças extrapola a descrição de comovente.

“Horizonte Vertical” é dedicado ao filho Luca e a geração dele (ele tem 13 anos). É um trabalho que além de encher o rebento de orgulho, consegue uma proeza rara nos tempos de hoje, que é emocionar o ouvinte no decorrer de algumas canções. E pode ser equiparado a discos clássicos do músico como “Lô Borges” de 1972 e “A Via Láctea” de 1979, o que não é nada mal para um senhor de 60 anos.
* por Adriano Mello Costa

Preço – R$25,00

Faixas
01 - De Mais Ninguém Lô Borges / Ronaldo Bastos)
02 - On Venus (Lô Borges / Ronaldo Bastos) Convidado: Fernanda Takai
03 - Antes do Sol (Lô Borges / Márcio Borges) Convidado: Fernanda Takai
04 - O Seu Olhar (Lô Borges / Patricia Maês)
05 - Horizonte Vertical (Lô Borges / Samuel Rosa / Nando Reis) Convidado: Samuel Rosa
06 - Xananã (Lô Borges / Patricia Maês) Convidado: Fernanda Takai
07 - Da Nossa Criação (Lô Borges / Patricia Maês) Convidado: Milton Nascimento
08 - Nenhum Segredo (Lô Borges / Samuel Rosa / Patricia Maês) Convidado: Samuel Rosa
09 - Mantra Bituca (Lô Borges) Convidado: Milton Nascimento
10 - Quem Me Chama (Lô Borges / Márcio Borges) Convidado: Fernanda Takai
11 - Você e Eu (Lô Borges)
12 - Canção Mais Além (Lô Borges / Patricia Maês)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Ram - Orange Orgio Orbis (2011)

Orange Orgio Orbis é o disco de estréia da banda mineira Ram. Lançado no dia 1/11/11, foi produzido de forma independente e traz um apanhado dos primeiros três anos de composições do grupo. São quinze faixas, (a versão em CD traz duas a mais do que a disponível na internet), que transitam pelo blues-rock, folk, gospel, kraut e free-jazz.

Duas já ganharam vídeos, entre elas Sweet Golden Road, 2º lugar no prêmio Mixsórdia como melhor clip de Belo Horizonte em 2011.

OOO conta com a participação de 12 músicos ao todo e foi gravado no estúdio Big Band com o engenheiro de som Tales Trajano. A arte do disco – uma flor-kirigami – e o cenário do show foram criados por Ana Pedrosa, Raphael Rodrigues e Gabriela de Matos, do coletivo Fluxo.


Mais Ram: www.rrram.com

Preço – R$20,00

Faixas
01- Oracle
02- Sky is a ceiling; stars are holes through which we can see behind. Light on everything
03- Bullet proof
04- Baby
05- We are lost (in Escher´s house)
06- Sweet golden road
07- To...
08- THE WHITE RAT AND IMPROVISED HIT
09- MaccaRam
10- The last pessimist prophecy
11- My old man
12- Routine
13- War: garden knocks down building with earthraising building counterattacks falling over garden
14- Lonely Ones
15 - Breath white


Todas as músicas compostas por Paim

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Chico Lobo – Caipira do Mundo (2011)

Basta ouvir os primeiros acordes do CD “Caipira do Mundo” para se contagiar e encantar com a voz, a melodia e a viola de Chico Lobo, penetrando nos recantos mais profundos do interior do Brasil, e retomar uma memória afetiva comum à maioria dos brasileiros. Nascido em São João del-Rei (MG), em 26 de fevereiro de 1964, ele é um dos maiores e mais ativos instrumentistas do Brasil, desde que gravou o primeiro álbum em 1996, "No Braço Dessa Viola". “Sou filho de mãe mineira / Meu pai é de Minas Gerais / Sei rezar latim pro nobis / Sou primo do Preto Brás”, indica na ótima canção “Cantiga de Caminho”, parceria com Ricardo Aleixo e que conta com a participação especial da cantora Virginia Rosa. E completa: “Desde menino eu misturo / O antes, o agora, o depois / Sempre que posso eu passo / O carro à frente dos bois”.

“Caipira do Mundo” levou quase três anos para ser finalizado, uma vez que foi gravado de fevereiro de 2008 a julho de 2010, e apresenta parcerias de Chico Lobo com grandes nomes da música brasileira. A produção é de Guilherme Kastrup, que toca percussão em quase todas as faixas. Logo a primeira canção, “A Mais Difícil Opção”, composta com Alice Ruiz, já demonstra toda a força do trabalho de Chico Lobo, o que se confirma na excelente “Tristeza do Culto”, parceria com Chico César. Dê atenção especial à doce “Eu Ando Muito Cansado”, assinada com Arnaldo Antunes e que é quase uma cantiga infantil; e a “Pássaro de Alma”, união de dois mais inventivos músicos brasileiros da atualidade – Chico Lobo e Siba, líder do espetacular grupo pernambucano Siba e a Fuloresta.

Cantada com a portuguesa Susana Travassos, que busca aproximar a música lusitana da brasileira, “Morena de Minas”, parceria com Zeca Baleiro, é digna de constar de festas juninas ao redor do país e possui uma letra arrasadora: “Toda vez que eu viajava / Pela estrada de Ouro Preto / Eu olhava uma morena / Que me olhava de um jeito / Morena dengo de Minas / Flores no cabelo dela / Num dia rosa vermelha / No outro flor amarela”. Zeca Baleiro também participa dos vocais de “Pra Onde Eu Tava Indo?”, composta por Chico Lobo e Maurício Pereira.

Com arte gráfica formada pelos lindos graffiti do Beco do Batman e do Beco das Cores, na Vila Madalena, em São Paulo, o sétimo álbum solo de Chico Lobo conta com parcerias empolgantes dele com Sérgio Natureza (“Canto e Cântaros”), Vander Lee (“Quando Falta o Coração”), Vítor Ramil (“Cantata”, que conta com a presença do acordeon de Toninho Ferragutti e a viola de aço de Fábio Tagliaferri) e Verônica Sabino (a linda balada “No Fio do Olhar”, com a participação de Zé Geraldo).

Esta cantora participa nos vocais de “No Fim da Rua”, parceria de Lobo com Fausto Nilo. Tal diversidade de parcerias só comprova a força e a versatilidade do violeiro. Portanto, escutar esse CD é mergulhar no que há de melhor nas raízes brasileiras, em contato direto com o que se produz de mais significativo na atualidade. Para encerrar, nada melhor do que uma fantástica gravação instrumental de “Dois Rios”, que une os mineiros Samuel Rosa e Lô Borges com o paulistano Nando Reis.

Autor do jingle oficial da eleição de São João Del-Rei como Capital Brasileira da Cultura em 2007, Chico Lobo faz parte da linhagem de nomes importantes como Almir Sater, Renato Teixeira, Pena Branca & Xavantinho, Milionário & José Rico, que enriqueceram e ajudaram a dar brilho à denominada “música sertaneja” ou “música regional”, sigla tão vazia como várias músicas do denominado “sertanejo universitário”.

Mas, além da música, ele é um importante divulgador da viola no Brasil, por meio de trabalhos como o pioneiro DVD “Viola Popular Brasileira”, artigos na revista “Viola Caipira” (onde mantém coluna fixa) e nos programas de rádio “Canto da Viola” (na Rádio Inconfidência) e de televisão “Viola Brasil”. Agora ficaremos aguardando, como anunciado por Zeca Baleiro em “Pra Onde Eu Tava Indo?”, os bailões diários no vão livre do Masp, em São Paulo.
*por Guilherme Bryan

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – A Mais Difícil Opção – Chico Lobo e Alice Ruiz
02 – Tristeza do Culto – Chico Lobo e Chico César
03 – Cantiga de Caminho – Chico Lobo e Ricardo Aleixo
04 – Canto a Cântaros – Chico Lobo e Sérgio Natureza
05 – Pássaro de Rima – Chico Lobo e Siba
06 – Morena de Minas – Chico Lobo e Zeca Baleiro
07 – No Fio do Olhar – Chico Lobo e Verônica Sabino
08 – Eu Ando Muito Mesmo – Chico Lobo e Arnaldo Antunes
09 – Quando Falta o Coração – Chico Lobo e Vander Lee
10 – No Fim da Rua – Chico Lobo e Fausto Nilo
11 – Pra Onde Que Eu Tava Indo? – Chico Lobo e Maurício Pereira
12 – Cantata – Chico Lobo e Vítor Ramil
13 – Dois Rios – Samuel Rosa, Lô Borges e Nando Reis