sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Titane – Sá Rainha (2016) DVD


O DVD SÁ RAINHA, de TITANE, reúne e disponibiliza imagens de seu acervo pessoal, registrando um dos períodos fundamentais da música no país, em que a sua produção se volta para fontes autóctonas com vigor e determinação. Em Minas, a fonte primeira é a Festa de Nossa Senhora do Rosário, do congado mineiro.

O DVD é dividido em três partes: 

TITANE canta 
Traz a íntegra de show dirigido por João das Neves, gravado ao vivo em 2003, Belo Horizonte. Nele a cantora vem acompanhada dos músicos que formavam sua banda no período. São eles: Gilvan de Oliveira e Weber Lopes, violonistas com carreiras-solo consolidadas e renomados por sua inegável contribuição à história do violão brasileiro, o baixista Ivan Corrêa e o percussionista Sérgio Silva. Como convidados estão Chico César, Pereira da Viola, Edvaldo Santana, Maurício Tizumba e a Guarda de Massambique de Nossa Senhora das Mercês, de Oliveira/MG.

TITANE dança 
Apresenta cenas da Festa do Rosário de Oliveira, gravadas ao vivo durante os Festejos, registrando Guardas de Congado, Cortejos, a presença da cantora como integrante da Guarda de Catupé de N.Sra.do Rosário, depoimentos e conversas de Titane com os congadeiros.

TITANE fala 
Registra depoimentos de Titane sobre os músicos que formam a banda com a qual atuou  durante mais de 10 anos – Gilvan de Oliveira, Weber Lopes, Serginho Silva e Ivan Correa, e também João das Neves e Klauss Vianna, artistas sobre artistas com quem conviveu e trabalhou.

Com direção de Sérgio Borges e Pablo Lobato, o dvd SÁ RAINHA, lançado em setembro de 2016,  reúne imagens foram geradas entre os anos de 2003/2004, em Belo Horizonte.

REPERTÓRIO 
01.VIOLA CÓSMICA  Pereira da Viola e Gildes Bezerra
02.FOLIA DE PRÍNCIPE  Chico César 3.PRUCUTUNDÁ  Bilora
Convidado: Pereira da Viola
04.ZENSIDER   Edvaldo Santana e Ademir Assunção
05.REZA   Zeca Baleiro sobre poema de Paulo Leminski
06.TEREZA  Zé Neto
08.TEMPLO  Chico César, Tata Fernandes e Milton Di Biasi
09.TIRANA DA ROSA – dp Vale do Jequitinhonha/Rec.Frei Chico e Lira Marques/AdaptTitane
10.CANÇÃO PEQUENA  Edvaldo Santana e Akira Yamasaki
11.EMBALA EU   Maurício Tizumba
12.Estação Derradeira   Chico Buarque
12.GALOPE   Gonzaguinha
13.TRILHA NA COXIA  improviso
14.SÁ RAINHA   Maurício Tizumba
Citação 1: Caxangá, de Milton Nascimento e Fernando Brant
Citação 2: No Tempo do Cativeiro, do congado mineiro
Convidado: Maurício Tizumba
15.DANÇA  Chico César
Convidados: Chico César e Maurício Tizumba
16. ARUÊ  Guarda de Massambique de Nossa Senhora das Mercês
Citação: Tá Caindo Fulô -  tema de domínio público do Congado Mineiro

Esta seleção de canções e o tratamento a elas destinado vem dialogar, confrontar e estabelecer relações entre a música popular brasileira e o universo musical do congado mineiro.

TITANE E O CONGADO MINEIRO  
O repertório do show SÁ RAINHA e o tratamento a ele destinado vem dialogar, confrontar e estabelecer relações entre a música popular brasileira e o universo musical do congado mineiro.

O Congado é, certamente, a mais particular e imponente festa popular de Minas Gerais. Com implicações estéticas, éticas e religiosas, é uma manifestação da população de ascendência negra de Minas Gerais.

Os laços entre TITANE e o Congado mineiro se evidenciam diante de um público maior, quando  a cantora passa a convidar Guardas de Congado de sua cidade, Oliveira, a fazerem incursões em seus espetáculos, a partir de 1995.

Cuidadosamente preparadas, estas incursões acontecem inicialmente em teatros, centros artísticos por excelência, e posteriormente, em áreas abertas. Um desafio é perseguido: como garantir que as Guardas, em espaços e momentos que não aqueles de sua origem, preservem seu brilho, sua força, o sentido de devoção e a visão tão particular de mundo que se manifesta em seus ritos sagrados?

Ao longo de 10 anos foram muitos os encontros entre TITANE, seu público e as Guardas de Nossa Senhora do Rosário fora dos terreiros e ciclos sagrados dos Reinados do Rosário, em espaços artísticos de Minas, do Brasil e da França. O que sustentou esta prática, foi o entendimento de que um novo momento histórico estava em curso. Nele, o desconhecimento, o desprezo e a perseguição histórica sofrida pelos congadeiros estava sendo substituído pelo interesse sincero, a admiração e o desejo de aproximação de uma parte significativa da sociedade.

O desafio colocado ainda na virada do século permanece. O risco da banalização e da transformação dos Festejos em curiosidade turística é sempre uma ameaça. Mas, as Guardas de Congado, com certeza, experimentam hoje o reconhecimento de sua importância artística e cultural. Seus cortejos estão vivos e livres, em evolução pelas ruas de nossas cidades.

Ainda estamos longe de compreender a visão de mundo, a compreensão do cosmos que paira sobre os devotos do Rosário. Mas, certamente, usufruímos de sua energia pulsante. E, cada um a sua maneira, mesmo que não devotos, reverenciamos os negros que aqui viveram como escravos e cantamos, cheios de gratidão, os cantos que nos deixaram como herança.

Dirigido por Sérgio Borges e Pablo Lobato, o DVD SÁ RAINHA registra breves instantes da passagem de uma das Guardas de Massambique e seus Reis Congos, pelos palcos da cidade de Belo Horizonte. Registra também cenas da Festa do Congo em Oliveira e depoimentos de congadeiros e Capitães.

E ainda, disponibiliza ao público em geral, a íntegra do show gravado ao vivo no Teatro SesiMinas em 2003, espetáculo dirigido por João das Neves, que tem a cantora TITANE como protagonista e agregadora de energias sonoras de devoção à música e à mãe dos homens pretos, irmãos do Rosário de Maria.

Preço – R$30,00

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Leonora Weissmann - Adentro Floresta Afora (2015)

Primeiro álbum solo da cantora e artista plástica Leonora Weissmann como intérprete.
O trabalho se divide em músicas instrumentais e canções de diversos compositores. Leonora assina duas das músicas, com Rafael Martini e Luiza Brina. Os arranjos do disco são assinados por Rafael Martini e Rafael Macedo.

O grupo de músicos é formado por Rafael Martini, Rafael Macedo, Frederico Heliodoro, Edson Fernando e Alexandre Andrés O disco conta ainda com a participação dos cantores Sérgio Pererê, Leopoldina, Beth Dau, Renato Motha e Patrícia Lobato.

Preço – R$30,00

Faixas:
01.Floresta - Alexandre Andrés
02.O Grande Verão - Kristoff Silva e Pablo Castro
03.Zemba pro Mestre - Alexandre Andrés e Rafael Martini
04.Immanuel e Eu e Outros Mil - Rafael Macedo
05.Menino - Alexandre Andrés e Bernardo Maranhão
06.Carta a Theo - Leonora Weissmann
07.Cinzas - Kristoff Silva
08.Montreux - Hermeto Pascoal
09.No Rabo do Vento - Renato Motha
10.Todas as Letras - Rafael Macedo
11.Tinha de Ser - Fernando Brant e Renato Motha

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Luiz Salgado – Quanto mais Meus Óio Chora, Mais o Mar Quebra na Praia (2016)

Luiz Salgado é um cantador do cerrado mineiro. Desenvolve um trabalho fincado na expressão musical arraigada no Brasil profundo, na música que emana do que há de mais autêntico e genuíno da tradição das festas populares, da folia de reis, do congado e da viola caipira.

Com seus acordes, ponteados e versos, canta o cerrado, o mato, a prosa, o causo, tornando sua música uma atitude diante da cultura e da vida, imprimindo uma maneira de ver o mundo e celebrar a beleza  da tradição, da natureza, dos costumes e do folclore da região de Minas Gerais.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Canto pra Oxalá – Domínio Público
02 – Candeia – Caco Sodré
03 - Quanto mais Meus Óio Chora, Mais o Mar Quebra na Praia – Luiz Salgado
04 – Eu, Pecador, Sou Pequeno, Grande é Deus, Nosso Senhor – Luiz Salgado
05 – Suassuna e sua Sina – Luiz Salgado
06 – Kukukaya – Cátia de França
07 – João sem Chão – Luiz Salgado
08 – Mar de Roça – Rodrigo Ferrero e Luiz Salgado
09 – Pássaro Lunar – Consuelo de Paula e Luiz Salgado
10 – Sinal – Domá de Conceição
11 – Resistência - Luiz Salgado
12 – Navegando – Marco Aurélio Querubim
13 – Flor de Outono - Consuelo de Paula e Luiz Salgado
14 – Galope à Beira Mar – Xavier Bartaburu e Luiz Salgado
15 – Meu Divino Espirito Santo – Maria do Pé do Morro

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Chico Lobo – Viola de Mutirão (2016)

O violeiro mineiro Chico Lobo recebe nesse novo CD os convidados especiais Maria Bethânia (em "Maria"), Quinteto Violado (em "Acorde brasileiro"), Paulinho Pedra Azul (em "Tempo de colher"), João Araújo (em "Asa Branca") e Renato Teixeira (em "Meu chão").

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Um só Coração – Kimura Filho e Chico Lobo
02 – Viola de Mutirão – Chico Lobo
03 – Catira Ligeira – Chico Lobo
04 – Meu Chão – Chico Lobo
05 – Tempo de Colher – Chico Lobo
06 – Disparada – Geraldo Vandré e Theo de Barros
07 – Vontade de ser Feliz – Chico Lobo
08 – Maria – Chico Lobo
09 – Batuque de Terreiro – Chico Lobo
10 – Acorde Brasileiro – Marcelo Melo e Chico Lobo
11 – Sina – Chico Lobo
12 – Asa Branca – Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira
13 – Cantiga de Bem – Chico Lobo

Telo Borges – Telo Borges (2016)

Harmonias ricas, criatividade e inovação marcam o CD Coletânea Telo Borges. Desde muito cedo em contato com a música, Telo compôs sua primeira canção, "Voa Bicho", aos 14 anos.

Neste CD seu lado compositor está em evidência. "Tristesse" (Telo Borges/Milton Nascimento), uma das faixas do CD, foi a vencedora da categoria de "Melhor Canção Brasileira" no Grammy Latino 2003.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Trilha de Brasília – Telo Borges
02 – Ouro da Palavra – Telo Borges e Márcio Borges
03 – Voa Bicho - Telo Borges e Márcio Borges
04 – Parque Migalhas – Telo Borges e Flavio Henrique
05 – Cidade do Amor – Telo Borges e Marco Fernandes
06 – Centelha no Olhar - Telo Borges e Marco Fernandes
07 – Vou pro Céu - Telo Borges
08 – Prova de Amor - Telo Borges
09 – Renata - Telo Borges
10 – Tristesse - Telo Borges e Milton Nascimento
11 – Tempestade - Telo Borges
12 – De lá prá Cá - Telo Borges e Ronaldo Bastos
13 – Taquicardia Rara - Telo Borges
14 – Guerra de Travesseiros - Telo Borges e Orlando Pacheco
15 – Vento de Maio - Telo Borges e Lô Borges

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Sérgio Pererê e No Chilla – Via Mão (2016)

Com tambores africanos tocados por argentinos e letras e composições do brasileiro Sérgio Pererê, Viamão propõe o encontro das heranças banto, iorubá e mandinga que se conformaram na América Latina, em uma mistura de sonoridades. “É um álbum despretensioso, que vem do coração.

Viamão tem muita percussão e nos faz refletir como esses tambores e a mitologia que vieram de vários lugares da África, dos reinos africanos, se disseminaram e foram reinterpretados no Brasil e na Argentina”, conta Pererê, que no álbum ainda toca o charango, um instrumento tradicional andino.

Viamão traz em seu nome uma homenagem a um povoado de Rio Manso/MG, localizado a 63km da capital mineira, cujas montanhas serviram de ‘estúdio ao ar livre’ das primeiras gravações, ainda em 2013. Em 2014, as gravações foram finalizadas em Buenos Aires e em Moreno, no interior da Argentina, ao longo de 15 dias de intenso trabalho em conjunto. O resultado são 12 faixas autorais.

Preço – R$28,00

Faixas:
01 – Peixe Pescador
02 – Carolina do Oiá
03 – Rosário de Maria
04 – Filho de Odé
05 – Serpenteia
06 – Paraíso
07 – Noviembre
08 – Pétalas
09 – Santeria
10 – Ogum na Areia
11 – Nossa Senhora do Porto
12 – Macfly

Arranjos e Produção Musical - Sérgio Pererê e No Chilla
Letras - Sérgio Pererê 

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Marcelo Paganini – 2012 Space Traffic Jam (2014)

Mergulhado em uma fusão de estilos, Marcelo acha que sempre é bom tentar definir que tipo de som se faz para dar uma referência a quem está ouvindo este CD: " Esse disco eu diria prog-rock-jazz-fusion, o que é super largo mas delimita um pouco o território musical, mas é tudo isso misturado, a música passa a ser jazz no meio do prog-rock, e tudo isso é fusion...", diz o artista.

Preço – R$40,00

Faixas:
01 – Sphinxes of Babel - Marcelo Paganini
02 – Crying with a Smile - Marcelo Paganini
03 – Actor - Marcelo Paganini
04 – Somewhere Somehow - Marcelo Paganini
05 – Lost Secrets - Marcelo Paganin
06 – Last Bart to San Bruno - Marcelo Paganini
07 – B4Ever Now - Marcelo Paganini
08 – For Real - Marcelo Paganini
09 – Can’t Autograph Your MP3 - Marcelo Paganini
10 - 2012 Space Traffic Jam - Space Traffic Jam - Marcelo Paganini


Magno Alexandre – Marajó (2016)

Guitarrista, compositor e arranjador, natural de Belo Horizonte, Magno Alexandre iniciou seus estudo de musica em 1987, influenciado por musica mineira e rock, logo depois se apaixonou pelo jazz.Em 1991 teve seu primeiro grupo de música instrumental, o “Feijão de Corda”, em 1993 conheceu o baterista e compositor Nenê, que com Eneias Xavier, formaram o Nenê Trio, e mais tarde no formato quarteto, com o saxofonista Vinicius Dorin, gravaram três cds: Ao Vivo no CCBB (1996), Suite Curral del Rey (1997 e Porto dos Casais 1998).

Em 2005 o músico venceu a Vª Edição do Prêmio BDMG de Música Instrumental e ganhou o Prêmio Marco Antônio Araújo de melhor CD Instrumental de 2004 com “Maracatuaba”. Ele contou com as participações de Toninho Horta, André Mehmari, Sergio Santos, Nenê, Toninho Ferraguti e Benjamim Taubkin, entre outros.

Agora, em 2016, Magno nos apresenta seu segundo trabalho autoral, “Marajó”, que foi feito em duas sessões ao vivo em estúdio em NYC, no Brooklin (Peter karl Studios), sem overdubs. Ele gravou com a formação de quarteto e contou com as participações do pianista americano Mike Eckroth, o baterista brasileiro radicado em NY Adriano Santos e o porto-riquenho Ricky Rodriguez no baixo acústico. E do Brasil, veio o cantor Sérgio Santos para fazer vocalise em duas músicas.

Preço – R$30,00

Faixas:
01 – From Belo to Brooklyn
02 – Das Alagoas
03 – 21 de Setembro
04 – Salve Salve
05 – Marajó
06 – American Song
07 – O Vôo do Menino Gigante
08 – Schiphol
09 – Baião pra Nanda
10 – Outubro Nublado
11 – Choro de Bebê
Todas as composições de Magno Alexandre

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Tau Brasil – Nas Trilhas do Mucuri (2013)

Um antigo sonho do compositor e cantor Tau Brasil era homenagear sua região, o Vale do Mucuri. E é isso que ele faz com o CD 'Nas trilhas do Mucuri'.

Nascido em Fronteira dos Vales, antiga Pampam, Tau Brasil (que atualmente mora em Contagem) está feliz com o momento de celebração do vale. “Todas as músicas têm temática ligada à minha região, que é muito rica culturalmente, mas pouco conhecida no resto do estado”, afirma Tau Brasil, que assina algumas faixas do CD.

Para enriquecer ainda mais o trabalho, no qual, entre outros segmentos sociais são lembradas as lavadeiras, os índios, as rezadeiras e as comunidades quilombolas, o cantor convidou artistas da região. “Estão comigo, para minha alegria, Sérgio Moreira, que é de Teófilo Otoni; Carlos Farias, de Maxacalis; Efraim Maia, de Nanuque; Bilora, que nasceu em Santa Helena de Minas; e Pereira da Viola, de São Julião”, conta o músico. Artistas como Miguel Canguçu, Cida e Francisca, Augusto e Artur, Ivone Ferrira também participam.

Tau Brasil, que já foi premiado em 16 festivais Brasil afora, conta que a metodologia utilizada no novo disco se baseou, principalmente, na história oral, em casos ouvidos e recolhidos na região. “Os mais velhos são nossa biblioteca. Escrevemos, mas são eles que guardam a sabedoria”, filosofa o cantor. Os arranjos foram assinados por Sérgio Moreira, Airton Prates e Bilora.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Vale do Mucuri – Bilora
02 – O Sopro do Vento – Josino Medina
03 – Estrada de Ferro Bahiaminas – Jose Emilio e Eros Januzzi
04 – Canto de ArribaçãoAirton Prates e Ronaldo Ramalho
05 – Mãe Nana – Tau Brasil e Miguel Canguçu
06 – Folia do Mucuri – Beatriz Farias
07 – Fronteira, Vale dos Tropeiros – Gonzaga Medeiros
08 – A Saga da Tropa – Tau Brasil e Gonzaga Medeiros
09 – Águas Formosas – Sérgio Moreira e Ladston do Nascimento
10 – Mestra Diola - Gonzaga Medeiros
11 – Córrego Novo – Miguel Canguçu e Airton Prates
12 – Lugarejo – Efraim Maia
13 – O Rio de Águas Belas – Jorge Correia
14 – Padroeiro – Tau Brasil, Miguel Canguçu e Airton Prates
15 – Lajedo Negro – Sérgio Moreira

Cláudio Faria – O Que Ninguém Ensina (2016)

Cantautor, Claudio Faria lança em 2016 o disco "O que ninguém ensina", trabalho produzido pelo próprio artista, em que passeia pela MPB com flertes pela world music e indie pop.

Preço: R$25,00

Faixas:
01 - Simples Canção – Cláudio Faria
02 – Ama por Amar - Cláudio Faria
03 – tudo em Você – Beto Guedes e Ronaldo Bastos
04 – Motivo - Cláudio Faria
05 – Paisagem Lunar – Cláudio Faria
06 – Sob o Sol do Rio - Cláudio Faria
07 – Meu Porto - Cláudio Faria e Leila Pinheiro
08 – O que Ninguém Ensina - Cláudio Faria e Rodolfo Mendes
09 – Ar de Mistério - Cláudio Faria
10 – Quatro Luas - Cláudio Faria
11 – Águas do Sossego - Cláudio Faria

Nem Secos – Anti-Heróis Dançando a Vida (2016)

“Qualidade musical aliada a um discurso potente e libertário.” Assim definiu o trabalho do Nem Secos o editor de cultura do Portal R7, Miguel Arcanjo Prado, destacando ser “uma das melhores coisas que a atual cena musical mineira produziu.” 

Diversidade de sons e ritmos, união de linguagens artísticas, engajamento social, muita cor e animação no palco. Esses são alguns dos elementos que levaram o Espetáculo autoral do Grupo NEM SECOS a ser escolhido entre milhares de concorrentes de todo o Brasil para integrar a programação oficial do Ministério da Cultura para a Copa 2014, além de outras apresentações de destaque, como no Conexão BH e na Virada Cultural de Belo Horizonte, ambas no Parque Municipal. 

Fundado em 2003, desde então o Grupo Nem Secos vem atuando na montagem e apresentação de espetáculos cênico-musicais que resgatam momentos importantes da história da Música Popular Brasileira. Com os espetáculos “Nem Secos Nem Molhados”, “Tropicália em Transe” e “MPB na Ditadura”, o Grupo realizou centenas de apresentações em diversas cidades do Estado de Minas Gerais, muitas delas com base em Projetos de Lei de Incentivo aprovados pelo Grupo. 

No primeiro trabalho integralmente autoral do Grupo toda a pesquisa de idéias, movimentos e atitudes culturais empreendida nesses anos de estrada desemboca em uma obra plural, em que música, dança, teatro e poesia se unem, na fusão de linguagens artísticas que caracteriza as montagens do Nem Secos. 

No palco, músicos e performers se integram para trazer toda a magia dos musicais. MPB, Samba, Rock, Baião, Soul, Maracatu, Funk, Frevo, Reggae.

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Anti- Heróis – Carlos Linhares
02 – A Manha e o Paia - Carlos Linhares
03 – A Seita que não Aceita - Carlos Linhares
04 – Ela Cortou Curtinho - Carlos Linhares
05 – De Você só quero Você - Carlos Linhares
06 – Mané Money – Alexandre Mestiço
07 – Eu vou parar de Beber – Gustavo Maia e Vinícius Maia
08 – Meio a Meio - Carlos Linhares
09 – VirtuReal – Deh Mussulini
10 – Dançando a Vida – Gustavo Maia
11 – A Ordem é o Caos – Vinicius Maia
12 – Vc q Disse – Gustavo Maia
13 – O Inferno é Aqui – Gustavo Maia
14 – Desembolar o Samba – Vinícius Maia
15 – Urubu Comendo Boi – Berci de Lima
16 – Meu Carnaval é na rua – Gustavo Maia
17 – Última chance, Dance! - Carlos Linhares
18 – Nem Rosa Nem Azul - Carlos Linhares

Joaci Ornelas – No dizer do Sertão (2016)

Segundo trabalho autoral do músico, o disco é resultado de pesquisas e vivências com participações em atividades culturais de tradição de mestres violeiros, tocadores e foliões em comunidade rurais no vale do São Francisco, Minas Gerais.

Com linguagem musical elaborada e arranjada a partir da viola caipira – instrumento base do trabalho de Ornelas -, as canções trazem um diálogo com instrumentos utilizados na música de orquestra e na música contemporânea, além dos mais ligados às tradições populares como a rabeca, o pandeiro e a caixa de folia, compondo os arranjos de percussão.

O CD conta ainda com parcerias e participações especiais de diversos músicos, violeiros e cantadores e cantoras em evidências na cena musical mineira e brasileira.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Nobres Foliões – Joaci Ornelas
02 – Dia de Feira - Joaci Ornelas
03 – No Cumbuco do Balaio - Joaci Ornelas
04 – Passarim - Joaci Ornelas
05 – No Dizer do Sertão - Joaci Ornelas e Luiz Salgado
06 – Alecrim Cheiroso - Joaci Ornelas
07 – Cortando Maxixe - Joaci Ornelas
08 – Viola de Guia - Joaci Ornelas
09 – Cirandado - Joaci Ornelas
10 – Encantado - Joaci Ornelas e Poli Brandani
11 – Sodade - Joaci Ornelas e Dimas Soares
12 – Sol de Minas - Joaci Ornelas e João Evangelista Rodrigues
13 – Bom Violeiro - Joaci Ornelas e João Evangelista Rodrigues
14 – Vasto Mundo – Joaci Ornelas e Wilson Dias

sexta-feira, 15 de julho de 2016

As Onhas do Jequi – 30 Anos - DVD DOCUMENTÁRIO (2016)

Paulinho Pedra Azul também faz parte deste DVD histórico.
Ao lado dele estão Saulo Laranjeira, Rubinho do Vale, Frei Chico, Lira Marques, Coral Vozes das Veredas, Tadeu Franco, Gonzaga Medeiros e Tadeu Martins Soares.

Preço: R$40,00

terça-feira, 12 de julho de 2016

Renato Rosa – Marujo de Reis (2014)

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Feitiço do Mar - Renato Rosa e Bruno Cunha
02 – Canção n.1 – Renato Rosa e Flávio Medeiros
03 – Choro n.1 - Renato Rosa e Flávio Medeiros
04 – Xote Lado A - Renato Rosa e Flávio Medeiros
05 – Lado A - Renato Rosa e Flávio Medeiros
06 – Lado B - Renato Rosa e Flávio Medeiros
07 – Xote Lado B - Renato Rosa e Flávio Medeiros
08 – Choro n.2 - Renato Rosa e Flávio Medeiros
09 – Canção n.2 - Renato Rosa e Flávio Medeiros
10 – Feitiço do Mar - Renato Rosa e Bruno Cunha

Renato Rosa (2015)

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Pé na Terra – Renato Rosa e Matheus Brant
02 – Me Lance - Renato Rosa e Bruno Cunha
03 – Sina do Caeté - Renato Rosa e Bruno Cunha
04 – Feitiço do Mar - Renato Rosa e Bruno Cunha
05 – Vinheta a Noel - Renato Rosa
06 – O Quarto - Renato Rosa e Bruno Cunha
07 – Pampulha-Mar – Matheus Brant e Renato Rosa
08 – Feitiço do Mar - Renato Rosa e Bruno Cunha

Deh Mussulini – Varanda Aberta (2016)

Deborah Mussulini de Souza, nasceu no dia 28 de janeiro, em Belo Horizonte. Seus pais, percebendo que a menina não parava de dançar nem de cantar com qualquer batuque ou melodia, resolveram investir na música. Sendo assim, seu primeiro contato efetivo com a música foi com a dança, aos seis anos de idade. E não tardou para ganhar de seus pais o que seria o seu trilhar na vida: seu primeiro violão.

Começou sua prática musical no meio religioso, espírita, foi seu laboratório, ali cantou, tocou e arranjou músicas. Tocou em bandas de rock, fez parte de uma banda de rock composta só de mulheres pela afinidade que sempre teve com o feminismo, na busca da mulher pelo seu espaço. Finalmente ingressou no curso de licenciatura em Música da UFMG onde iniciou sua carreira profissional! Hoje participa de projetos ligados ao feminismo como Coletivo ANA, Coletivo #NadaFragil e outros projetos de relevância como o Grupo Nem Secos, Gustavito e Di Souza, além de vários outros ligados a música e poesia.

Deh Lança seu primeiro disco solo, todo a voz e violão, intitulado Varanda Aberta, com o violonista, arranjador e compositor Lucas Telles, que assina a direção musical e os arranjos, e com a produção musical de Leandro César. Já a arte ficou por conta de Henrique Bocelli.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Voz no Vento – Deh Mussulini, Irene Bertachini, Luana Aires e Thiago Braz
02 – Nos Campos Santos – Deh Mussulini e Déa Trancoso
03 – Fé Menina – Deh Mussulini, Luana Aires e Michelle Andreazzi
04 – Do Alto do Salto - Deh Mussulini e Leonora Weissmann
05 – Pecado de Ser – Deh Mussulini
06 – Varanda Aberta – Deh Mussulini
07 – Aldeia Curumim – Deh Mussulini, Luana Aires e Michelle Andreazzi
08 – Noite Veraz – Andre Botelho, Jayaram Marcio e Vanessa Di lego
09 – Memória – Deh Mussulini
10 – Tormento – Deh Mussulini e Lucas Telles
11 – Roda da Saia – Luisa Mitre e Maria Raquel

Patti e os Mauzões (2016)

Primeiro disco solo da cantora e compositora PATTI. Produção de Leonardo Laporte. “O resultado é um trabalho coeso, que consolida a nova persona musical de Patti: jazzy, climática, direta e que vislumbra um novo caminho sem se esquecer do passado.

Patti não é mais apenas a cantora que emula Amy Winehouse na Back To Black ou solta a voz em meio às guitarras das Dopaminas. Ela imprime um novo estilo que mistura tudo isto em um caldeirão que ganha também pitadas de MPB. Uma "vira-lata independente" como ela mesma canta em "Amores Vira-latas", faixa que abre o disco. Errante e irrequieta como um vira-lata, Patti transformou seu hobby em algo mais e registrou uma época de sua vida em "Patti e os Mauzões". Indicado para quem gosta de música feita para ser ouvida e não apenas consumida.

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Amores Vira Latas - Patti
02 – Verdades na Mesa - Patti
03 – Gosto do Medo - Patti
04 – Voz Ativa – Pablo Castro e Murilo Antunes
05 – TOC – Pedro Lago
06 – Caiçuma – Patti e Leandro Laporte
07 – Amor o Ano Todo – Patti e Vinicius Ribeiro
08 – Banho de Realidade - Patti
09 – Terça Jazz – Patti e Eugênio Aramuni
10 – Triste Granfina – Patti e Vinicius Ribeiro
11 – Respiração - Patti
12 – Viver é Bom - Patti
13 – Banho de Realidade - remix
14 – Voz Ativa - remix

Zimun – Pra Frente (2014)

Fundada em em 2009, a banda Zimun é uma verdadeira produtora de sensações. Criatividade e improviso são fontes de inspiração do grupo. Street jazz, rap, um pouco de rock, outro tanto de experimentalismo e muita poesia cantada. No pacote ainda tem ritmos brasileiros. Zimun é assim e, pra juntar tudo isso, juntaram-se os instrumentistas Fernando Castilho, Materia Prima, Ravel Veiga, Gabriel Bruce e Edgar Dedig.

Pra Frente é o segundo álbum da banda belo-horizontina Zimun, lançado em 2014. Um dos grandes lançamentos brasileiros do ano, o disco aponta o caminhar preciso e autêntico do grupo de street jazz.

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Intro
02 – Paraísos Artificiais
03 – Alcançando o Céu com os Pés no Chão
04 – Trilha Sonora
05 – Evolução
06 – R.V.
07 – Transeuntes
08 – Vida Saturada
09 – Simples Verdade
10 – Desconectar

Fernamda Ca – Pra Sempre (2016)

Fernamda Ca, cantora e compositora mineira, radicada no Rio de Janeiro, coleciona admiradores com seu carisma, presença de palco e fortes interpretações.

A artista, que em sua trajetória já produziu o DVD A outra margem - ao vivo (2013), lança agora seu novo álbum, o EP Pra Sempre, no qual passeia com desenvoltura pelo pop, rock e MPB, aliando de maneira singular, suavidade e energia explosiva.

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Pra Sempre – Marcos Falcão e Fernamda Ca
02 – Por Causa de Voce Menina – Jorge Bem
03 – Carne e Osso – Abílio, Caíca, Luiz Gustavo e Humberto Effe
04 – Ponto de Bala - Marcos Falcão
05 – Um Móbile no Furacão – Moska
06 – Casa Vazia - Marcos Falcão
07 – Baião - Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Ricardo Nazar – Lida (2016)

Certa vez, o cantor e compositor Chico Buarque de Holanda declarou: “Ricardo Nazar é meu genérico... bem que ele deveria dar entrevista... viajar no meu lugar”. Apesar do tom bem humorado da declaração do compositor de “Roda Viva”, ela faz sentido.

O timbre de Nazar, mineiro nascido em Pitangui, é mesmo muito semelhante ao do genial compositor da MPB. Não por acaso, Nazar tem um show em que interpreta canções de Chico, projeto autorizado pelo próprio. “Para mim, Chico é um ídolo, uma referência musical e artística. Na minha música trago muito dele”, conta.

E se lembra: “Uma vez fui convidado para participar de um dos jogos de futebol que ele organizava no Rio de janeiro, e o próprio brincou que seria eu quem iria dar entrevista no lugar dele, pois achava tudo muito chato”.

No álbum Lida, o cantor e compositor reuniu um time de bambas da música mineira, numa seleção que vai de Wilson Lopes, Marcus Bolivar, Galvão, Renato Saldanha, Rohr, Jairo de Lara, Gê Lara, Jonba, Rafael Lisboa a Val do Cavaco.

“Escolhi esses nomes pela amizade que tenho por eles, e também pela admiração pelo trabalho que fazem”, explica o cantor e compositor, que destaca entre as dez canções do disco, “Lida”, “Samba do Advogado” e “Quanto Mais”.

Uma das canções de “Lida”, “Sapo Boi”, é uma parceria de Nazar com Rohr e Jonba. A composição é uma música feita sob medida para o público infantil, parte de um desejo que Nazar tem que é lançar, no futuro, um disco para os pequenos.

Clube e Milton
Vencedor de diversos festivais de música e prêmios literários, Nazar já teve composições gravadas por Milton Nascimento, Ana Buarque de Holanda, Telo Borges, Paulinho Pedra Azul, Túlio Mourão, Vander Lee, Cláudio Venturini, Marcus Viana, Wilson das Neves, entre outros.

Aliás, ele conta que, além de ser influenciado pela música de Chico, bebe também no Clube da Esquina e na obra de Milton. Aliás, com Bituca e Wilson Lopes chegou a dividir a parceria de “Lágrima de um Rio”, incluída no disco “Pietá” (2002). “Foi um grande honra ter uma composição em um disco de Milton, um dos maiores cantores do país. É aquele tipo de parceria que abre todas as portas”, exclama.
*POR FRANCO MALHEIRO

Preço - R$25,00

Faixas:
01 – Que bom que Voce Veio – Marcus Bolivar e Ricardo Nazar
02 – I Know – Wilson Lopes e Ricardo Nazar
03 – A Visita – Galvão e Ricardo Nazar
04 – Quantos Mais – Thiago Delegado e Ricardo Nazar
05 – Amor e Testemunho – Renato Saldanha e Ricardo Nazar
06 – Sapo Boi – Rohr, Ricardo Nazar e Jonba
07 – Ela e Eu no Samba – Jairo de Lara e Ricardo Nazar
08 – Lida – Gê Lara e Ricardo Nazar
09 – Depois de Ler um Gibi - Wilson Lopes e Ricardo Nazar
10 – Samba do Advogado – Rafael Lisboa, Val do Cavaco e Ricardo Nazar

sábado, 11 de junho de 2016

Iconili – Piacó (2015)

Piacó foi concebido em uma imersão artística em André do Mato, dentro, uma pequena vila na Serra do Gandarela, em Minas Gerais.
Foi lá que os músicos do Iconili encontraram inspiração para compor 11 faixas do disco.
A partir das ideias de seus integrantes ou de elementos surgidos em experimentações, as composições foram desenvolvidas de forma inteiramente colaborativa pelo grupo.

O mesmo processo marcou a criação dos elaborados arranjos de Piacó. No novo álbum, a banda mantém a ideia de promover misturas e experimentações musicais, em viagens
étnico-rítmicas que salientam uma sonoridade brasileira em constante diálogo com suas raízes ancestrais e seus desdobramentos contemporâneos. O disco é um delicioso encontro de contrastes, alguns pouco óbvios: a gentileza e a potência, a leveza e o ruído, o urbano e o rural, a cidade e o ritual.

Preço – 25,00

Faixas:
01 – Joege Botafogo
02 – Piacó
03 – Frenética
04 – Vinicius
05 – Gentil
06 – Preta de tataqui
07 – Vinheta
08 – Odanió
09 – Nêgo Preto
10 – EP
Bonus Track – Mr. Ok

terça-feira, 17 de maio de 2016

Cinara Ribeiro – O Samba Mandou Me Chamar (2015)

Cinara Ribeiro, considerada uma legítima representante da nova safra de boas cantoras, recentemente reveladas na música mineira, lançou seu primeiro CD independente produzido por Thiago delegado “O Samba Mandou Me Chamar” no final de 2015. O disco traz dez canções, incluindo composições próprias de sambas e releituras de compositores mineiros, sempre focado no samba de raíz. A cantora convidou os músicos Sergio Pererê, Douglas Din e Fernando Bento para participações especiais.

O repertório do disco foi escolhido por Cinara, no qual ela assina duas canções. A faixa seis, “Arrasta a sandália”, em que revela sua percepção sobre o samba mineiro, mostrando que ele tem gingado e modo de fazer próprios. E a faixa dois, que dá título ao CD, “O Samba mandou me chamar”, música que ela criou num momento em que estava de licença maternidade e preocupada com a carreira.

“Eu pensava como faria para dar continuidade com duas crianças e daí  `o samba mandou me chamar` neste momento. Eu explico nesta música que, através do samba, a tristeza não fica, que nossas preocupações ficam de lado, e surge uma entrega do corpo e da alma ao samba.


Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Um Lugar Ao Sol – Domingos do Cavaco e Fabinho do Terreiro
02 – O Samba Mandou Me Chamar – Cinara Ribeiro
03 – Direitos Iguais – Fabinho do Terreiro, Chapinha e Evair Rabelo
04 – Benzedura – Thiago Delegado e Murilo Antunes
05 – Perfume da Flor – Mário da Viola e Arthur de Carvalho
06 – Arrasta A Sandália – Cinara Ribeiro
07 – Agora é Tarde – Ricardo Barrão e Lado Raízes
08 – Em Nossas Mãos – Ricardo Barrão e Cacá Franklin
09 – Pérola Negra dos Sonhos – Serginho Beagá
10 – Tempo do Saril – Ricardo Barrão e Lado Raízes

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Daniel Lima – Inside My Dreams (2016)

Daniel Lima nasceu em Belo Horizonte, cidade famosa pela vida noturna, bares e música. Foi onde iniciou sua trajetória musical, em 94. Desde então, vem fazendo shows e gravando com diversas bandas, tendo já colocado faixas em programas de TV, novelas, se apresentado em programas como o do Jô Soares, e lançado disco e feito turnê na Europa.

Em 2009, Daniel Lima se mudou para NYC, onde se formou em Engenharia de Audio e Produção Musical. Ao mesmo tempo, começou a compôr as músicas que fariam parte de seu primeiro trabalho como artista solo.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Giving Way To Life – Daniel Lima
02 – Time And Places – Daniel Lima
03 – Carousel – Daniel Lima e Iain Fraser
04 – Fooling Me – Daniel Lima
05 – Keep Shining – Daniel Lima
06 – Just Because – Daniel Lima
07 – Perfect Season – Daniel Lima
08 – Coming Home – Daniel Lima
09 – Kisses Await – Daniel Lima
10 – Weird – Daniel Lima
11 – No More – Daniel Lima
12 – Does It Mean Anything? (LJKC) – Daniel Lima

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Tau Brasil e Augusto Cordeiro – Tau Pai, Tal Filho (2015)

O cantor e compositor Tau Brasil se une ao filho multi-instrumentista Augusto Cordeiro para a gravação ao vivo do CD "Tau pai, tal filho.

O repertório reúne composições próprias, sucessos de artistas consagrados como Luiz Gonzaga, Gonzaguinha e Elomar e, ainda, canções de artistas mineiros como Wilson Dias e Dea Trancoso. Os músicos convidados são Wallace Gomes (violão de oito cordas), Lucas Viotti (acordeon), Rodrigo Salvador (Rabeca) e Grupo Trivial (instrumental).

“Tau pai, tal filho” foi concebido em 2012, a partir do desejo de Tau Brasil de ver o filho Augusto tocando suas canções. “Minhas músicas embalaram o sono dele. É um privilégio poder partilhar o ofício com ele e deixar algo de herança. Estar junto com Augusto no palco é uma grande emoção”, sintetiza o cantador.

Na verdade, a intimidade dos artistas no palco é um retrato do dia a dia em família. "Há uma herança exercida ainda em vida e isso é uma raridade", completa Tau Brasil. O resultado é uma troca riquíssima de experiências objetivas e subjetivas.

Tau Brasil é natural de Fronteira dos Vales (Mucuri). Sua música retrata imagens e melodias da vida simples do interior e da cultura popular de Minas. O artista já recebeu 16 prêmios em festivais brasileiros de canção e tem cinco CDs gravados. Intérprete elogiado de Elomar Figueira Mello, Tau realizou, ainda, turnê com o espetáculo “Clariô – Tau Brasil canta Elomar”, cantando 12 canções do compositor baiano.

A estreia de Augusto Cordeiro no palco, aos 14 anos, foi, justamente, no show “Clariô -Tau Brasil canta Elomar", em 2009, no Teatro Municipal de Contagem. O jovem músico aprendeu o ofício com o pai e começou a tocar aos sete anos. Hoje, domina violão, guitarra e viola de dez cordas e acompanha artistas como Pereira da Viola, Wilson Dias e Déa Trancoso. Atualmente, Augusto Cordeiro é aluno da Escola de Música da UFMG.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Estrada do Tempo – Marcelo Voguinha
02 – De Minas – Déa Trancoso
03 – Garimpeiro do Amor – Tau Brasil e Gonzaga Medeiros
04 – Curvas do Rio – Elomar Figueira Melo
05 – É Preciso – Gonzaguinha
06 – João e o Grão – Wilson Dias
07 – Tau Pai, Tal Filho – Tau Brasil, Augusto Cordeiro e Eugênio Brito
08 – Aos Meus Heróis – Julinho Marassi e Gutemberg
09 – Semente de Gente - Augusto Cordeiro e Miguel Cngussú
10 – Plural – Trivial
11 – Raridade – Tau Brasil
12 – Te quero Bem – Lima Jr.
13 – Respeita Januário – Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Laura Jannuzzi - Ondes (2016)

Nascida em Palma, no interior de Minas Gerais, Laura Jannuzzi apresenta um repertório que compila de suas primeiras às últimas composições, contemplando os principais momentos estéticos, em temáticas e parcerias ambientadas entre os anos de 2011 e 2014.

A consolidação de uma musicalidade que atualiza as raízes da música brasileira, antenando sua execução às contemporâneas tendências, situa a cantora e compositora em meio a nomes da geração da “Nova MPB”. Laura agrega influências em canções costuradas por confluências rítmicas e harmônicas que partem do estúdio para o palco, em seu estilo único e voz inconfundível. Suas referências, igualmente, se espalham por Chico Buarque, Novos Baianos, Doces Bárbaros, Mutantes, Secos e Molhados, Marcelo Jeneci, Los Hermanos e Tulipa Ruiz.

2016, assim, guarda a estreia do álbum “Ondes”, no qual se grava a ilustração dos diversos caminhos trilhados, que, tal qual a pergunta, mantêm-se abertos ao que há de ir, de vir e chegar.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – A Liga - Laura Jannuzzi e Pablo Quaresma
02 – Amor Não - Laura Jannuzzi e Layla Paganini
03 – Descompasso - Laura Jannuzzi e Layla Paganini
04 – Quando Sei - Laura Jannuzzi e Pablo Quaresma
05 – Barulhinho de Estrelas - Laura Jannuzzi e Bebeto Castro
06 – A Nova - Laura Jannuzzi e Pablo Quaresma
07 – Blues Mirim - Laura Jannuzzi e Pablo Quaresma
08 – Blim Blom - Laura Jannuzzi e Pablo Quaresma
09 – Diário - Laura Jannuzzi e Juliana Stanzani
10 – Ondes - Laura Jannuzzi e Fabricio Jose Alvim Maluf
11 – Viagem Astral - Laura Jannuzzi

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Leonardo Brasilino – Terra Brasilinis (2016)

Com a participação de importantes músicos da cena musical mineira, Brasilino apresenta um repertório com composições próprias, parcerias e releituras.

Acompanhado dos músicos Bruno Veloso (baixo), Fábio Martins (percussão), Fred Natalino (piano), Gustavo Grieco (bateria) e Samy Érick (guitarra), o mineiro Leonardo Brasilino apresenta ao público suas múltiplas facetas como trombonista.

No show de lançamento do álbum, Brasilino divide o palco com importantes nomes da cena musical: Badá da Percussão, Thiago Delegado, Sérgio Danilo, Pedro Mota, Wagner Souza, Breno Mendonça, Marcos Flávio Freitas, Rodrigo Torino, Fernando Bento, Juventino Dias, Jonas Victor, Thiago Ramos e Alaércio Martins.

O CD traz dez músicas instrumentais, com temas de sua autoria com parceiros, como Rodrigo Torino e algumas releituras como “Malandrote” de Thiago Delegado, que além de estar presente  no  repertório  do  disco  também  grava  faixa  no  mesmo.  Contará  com  um  time  de músicos talentosíssimos além, é claro de algumas participações especiais, como Eduardo Neves e Breno Mendonça.

Produzido pelo próprio artista, Terra Brasilinis foi gravado no estúdio Solo e Gifoni, entre os meses de junho e agosto, e foi masterizado no estúdio Casa Antiga, por Fabrício Galvani, em 2015.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Axé da Carol - Leonardo Brasilino
02 – Nilton Brown - Leonardo Brasilino e Fred Natalino
03 – Terra Brasilinis – Thiago Delegado
04 – Good Times - Leonardo Brasilino
05 – Manda Brasa – Lucas Telles
06 – Pra Marku - Leonardo Brasilino
07 – Falko – Lucien Johnson
08 – Maman m´Voyé Péze Kafé – Canção Tradicional do Haiti
09 – Fiquei só na Gafieira - Leonardo Brasilino
10 – Rememorar – Fred Natalino

Projeto Alpercata – Vela Aberta (2015)

O Projeto Alpercata surgiu em 2012 com o objetivo de construir arranjos para criações autorais de seus integrantes, além de realizar releituras de canções de grandes compositores brasileiros.
Deste tempo de pesquisa e criação coletivas, começa a emergir uma proposta onde os limites estéticos cedem espaço à diversidade e à originalidade do trabalho.

O grupo é formado por Pedro Santos (Violão), Octávio Cardozzo (Voz), Camila Rocha (Contrabaixo), Sofia Cupertino (Voz), Marcos Ruffato (Violão de 7, Bandolim) e Pedro Alves (Bateria)

Vela Aberta é o trabalho inaugural do Projeto Alpercata, com as velas abertas, o barco se abre aos efeitos do vento, colocando-se em um movimento natural. Estar com as velas abertas é estar aberto às energias que possibilitam o trabalho.

A gravação foi motivada a partir da seleção do grupo na edição pop-up ocorrida em BH do Rubber Tracks, programa criado pela marca Converse, com o intuito de incentivar a gravação de novos trabalhos. Foi gravado e mixado no estúdio Minério de Ferro e teve a co-produção de Jean Dolabela e Augusto Nogueira, além dos trabalhos técnicos de Rodrigo Grilo.

A ilustração da capa é creditada a Rafaela Sueitt.

Preço – R$15,00

Faixas:
01 – Folia de Trovador – Marcos Ruffato
02 – Luz do Mato - Marcos Ruffato
03 – baião de Um – Marcos Ruffato
04 – Falou o Cidadão – Pedro Santos
05 – Vela Aberta – Pedro Santos

terça-feira, 5 de abril de 2016

Matheus Brant – Assume que Gosta (2016)

Com time de peso, Matheus Brant lança segundo álbum

Influenciado pelo Carnaval, cantor e compositor mineiro gravou ao lado de reconhecidos músicos da nova geração, arrocha, axé, pagode e marchinha são as principais referências do álbum Assume que Gosta, que o músico Matheus Brant, 30, de Belo Horizonte, lança em todos os serviços digitais e para download gratuito em seu site.

Criador de um dos principais blocos de Carnaval da capital mineira, Me Beija que Eu Sou Pagodeiro, e com passagem por grupos de samba da cidade, como o Chapéu Panamá, ele vai além de uma tradução de sua experiência com a folia: o CD vem como uma moderna homenagem aos gêneros e ritmos populares que o inspiram.

Para conseguir um resultado potente, Matheus recrutou o conterrâneo Lenis Rino, baterista de Fernanda Takai, e os guitarristas Dustan Gallas, do Cidadão Instigado e da banda de apoio de Céu, e João Erbetta, que acompanha artistas como Marcelo Jeneci, para sessões no Estúdio Doze Dólares, em São Paulo, em junho e setembro de 2015.
Com produção da dupla Fábio Pinczowski e Mauro Motoki, que já gravou com nomes como Lucas Santtana e Siba, os músicos elaboraram arranjos exuberantes e injetaram dub, rock e psicodelia às composições do mineiro.

As cantoras e compositoras Juliana Perdigão (BH) Luê (PA) abrilhantam as canções “Sereia” e “Do Prazer”, respectivamente. Já o rapper Kdu dos Anjos, também belo-horizontino, é convidado e coautor de “Carnaval”, finalista do Concurso de Marchinhas Mestre Jonas (2014) — aqui, o verso “a saudade de uma felicidade é solidão” serve de pretexto para se agarrar à celebração das ruas.
O americano Victor Rice, que assina títulos de Marcelo Camelo e Tulipa, é responsável pela mixagem de Assume que Gosta. A masterização é do punk analógico Arthur Joly, com currículo que vai de Elza Soares a O Terno.

Fora dos palcos e trios elétricos, Matheus é advogado e escritor. Lançou o EP A Música e o Vazio no Trabalho (Ed. Initia Via, 2014), complemento de sua dissertação de mestrado — o livro compila reflexões jurídicas com base na obra de Hannah Arendt. A estreia solo é de 2012, A Semana (Independente), álbum que reúne 13 faixas e participação especial de Curumin, José Luís Braga (Graveola e o Lixo Polifônico), entre outros talentos contemporâneos.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 - Assume que Gosta – Matheus Brant e Rodrigo Torino
02 – Levada do Arrocha - Matheus Brant e Renato Rosa
03 - #Magrela - Matheus Brant
04 – Abandonado – Pezinho e Thiaghinho
05 – Do Prazer - Matheus Brant e Renato Rosa
06 – Hoje o Dia é Seu - Matheus Brant e Renato Rosa
07 – A Balada - Matheus Brant
08 – Carnaval - Matheus Brant e Kdu dos Anjos
09 – Sereia - Matheus Brant e Ana Martins Marques
10 – Me Namorar - Matheus Brant
11 – Pagode - Matheus Brant
12 – Marchinha Francesa - Matheus Brant
13 – Assume que Gosta – versão Dub
14 - Levada do Arrocha - versão Dub
15 – Do Prazer - versão Dub

quarta-feira, 30 de março de 2016

Marcelo Jiran – Horizonte Brasileiro (2015)

“Este disco é o resumo das minhas principais influências musicais; uma história narrada por finas composições e orquestrações; pelo talento e profissionalismo dos intérpretes, os quais abraçaram a beleza, virtuosismo, alegria, alma e peculiaridade de cada tema; por amigos de longa data e novos amigos, todos ofertando o melhor de si pela Música.

Praticamente 2 anos de minuciosa e prazerosa criação; pouco mais de 50 minutos de audição; tamanha diversidade sonora surpreende e prende a atenção; não há barreiras; as inspirações viajam além do horizonte alcançado pelos olhos - o Horizonte Brasileiro mostra sua essência: a fusão harmoniosa entre os seres do planeta.”

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Trupico
02 – Pro Mestre
03 – Fantasia Barroca
04 – Bossa
05 – Bom Balanço
06 – Uma História de Amor
07 – I Movimento Terra
08 – II Movimento Mar
09 – III Movimento Céu

COMPOSIÇÕES, ORQUESTRAÇÕES, REGÊNCIA E CASTANHOLAS Marcelo Jiran

quarta-feira, 23 de março de 2016

Pedro Antônio – Plantação de Estrelas (2015)

Já nas lojas o novo CD Plantação de Estrelas de Pedro Antônio, cantautor das Minas Gerais, é um dos fundadores do grupo Mina das Minas.

Agora em carreira solo chega ao seu segundo trabalho autoral. Gravado em Uberlândia/MG, onde reside atualmente, o CD traz 12 faixas sendo dez de sua autoria e duas dos compositores Carlos Haddad e Zé Paulo Medeiros.

O CD teve os arranjos e a direção de gravação a cargo do maestro Pedro Ferreira e conta com um time de primeira linha formado entre os melhores músicos do Triângulo Mineiro.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Flor do Cerrado – Pedro Ântonio
02 – Voando em V - Pedro Ântonio
03 – Fogo-pagô - Pedro Ântonio
04 – Água – Zé Paulo Medeiros
05 – Passarin – Carlos Alberto Hadad
06 – Lá em Casa - Pedro Ântonio, William e Wellington de Faria
07 – Plantação de Estrelas - Pedro Ântonio
08 – Olho D´água - Pedro Ântonio, Edvaldo Gandi e Wellington de Faria
09 – Calangueando - Pedro Ântonio e João Bá
10 – Caretada (Para Catu) - Pedro Ântonio
11 – O verbo da Vida - Pedro Ântonio e Pedro Lacerda
12 – Dom Quixote Internauta - Pedro Ântonio

Luiz Marques – Noite Azul (2015)

Cantor, compositor, violonista e arranjador Luiz Marques é natural de Patos de Minas e radicado em Belo Horizonte. Sua composição aponta para um novo caminho, plural em ritmos e estilos, com canções que vão desde o barroco mineiro, passando por baladas e incursões no rock e pop.

O artista tem em sua discografia cinco CDs gravados: O Giro da Roda de Fogo (2000), Sentimento em Cor (2004), Luiz Marques (2009), Mira Certa (2011) e Noite Azul (2015).

Noite Azul gravado em abril de 2015 tem arranjos de Geraldo Vianna para 10 composições de Luiz Marques e participação de grandes músicos mineiros.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Labirinto
02 – Uma Canção
03 – A Luz de Lyon
04 – Meu Quintal
05 – História sem Fim
06 – Redemoinho
07 – Mistério e Paixão
08 – Noite Azul
09 – Infinito
10 – Um Minuto Apenas

Todas as composições são de Luiz Marques

Uiara Leigo - Meu Canto é Segredo (2015)

Em "Meu canto é segredo", Uiara conta a história do seu canto:" onde vejo poesia, vejo música. Alio meus poemas e pensamentos à melodia que me cabe ao coração. E cada canto leva um segredo de quem o carrega no coração".

Sua arte, traduzida em versos íntimos, transportam o público para seu universo afetuoso e rebelde, delicado e visceral, belo e corajoso, com a capacidade de comunicar sua poesia complexa e profunda num ambiente popular, aliado a classe do produtor musical Hérmanes Abreu, criou-se a sonoridade única do disco, fazendo a música expandir seu significado.
Deixe-se encantar!

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – De Rezar
02 – Samba de Benzer
03 – A Própria
04 – Donos do Destino
05 – Com Voce
06 – Basta
07 – As Forças
08 – Na Tez
09 – A Força de um Baião
10 – Meu Canto é Segredo
11 – O Nome do Vento
12 – Toque

Todas as composições são de Uiara Leigo

Pereira da Viola – Incelente Maravia 20 Anos (2016) DVD

Uma viagem musical em composições, parcerias e andanças de Pereira pelo país, em um repertório que inclui, aglomera e extrapola a diversidade da música de raiz, aumentando a visibilidade da criação artística de Minas Gerais e contribui para o enriquecimento e divulgação das artes, lendas e crenças dos povos mineiro e brasileiro.

Para a gravação do dvd e show de lançamento Pereira reuniu 20 anos de trabalho emcomposições próprias em parceria com poetas, músicos e escritores, todos eles autores fortemente influenciados pela cultura popular mineira. Dentre elas: “Incelente Maravia” (Pereira da Viola e Gildes Bezerra), “O meu Fraco é a Viola” (Pereira da Viola e João Evangelista Rodrigues), “Menina Flor” (Pereira da Viola e Josino Medina) e Mulheres de Argila (Pereira da Viola, Wilson Dias e João Evangelista Rodrigues).

O dvd foi gravado ao vivo em 2014, no Minascentro, no Projeto “Quando o Jequitinhonha canta e dança” com o patrocínio do Governo do Estado de Minas Gerais e Petrobras. Contou com as participações especiais de Titane, Wilson Dias, Celio Sene, Josino Medina e Bartira Sene. A banda é composta por Dito Rodrigues (violão e voz), Carlinhos Ferreira (percussão), Gladson Braga (percuteria) e Pedro Gomes (baixo).

Preço – R$35,00

Grupo Ilumiara (2015)

"Ilumiara" é uma expressão que mescla as palavras “iluminar” à “Iara”, entidade sagrada dos rios nas culturas Tupi-Guarani. Também contida nos textos de Ariano Suassuna e no nome de seu “altar” na Pedra do Reino, a palavra expressa nosso desejo de iluminar, por meio da música e oesia, a riqueza e a beleza de repertórios poéticos e musicais a partir da pesquisa e do encontro com as pessoas.

O grupo é formado por cinco músicos da cidade de Belo Horizonte que também atuam como pesquisadores, sendo o único dos quatro grupos que não está relacionado a uma prática da tradição. Além das músicas apresentadas, o grupo traz em seu espetáculo a contextualização histórico-social
dos cantos de trabalho no Brasil.

São muitos os cantos vinculados a ofícios e saberes tradicionais, e entre eles podemos citar as canções de lavadeiras, quebradeiras de coco, destaladeiras de fumo, fiandeiras, machadeiros, tropeiros, pregoeiros, dos trabalhadores das antigas usinas de açúcar, de carregadores de pedras, de remeiros, de vaqueiros, lavadeiras, pescadores, da fabricação de farinha e doces, dentre tantos outros.

Sabe-se que muito do que se cantava e tocava foi perdido ou despareceu junto ao próprio desenvolvimento dos ofícios, pela substituição do trabalho humano pelas máquinas, a perda de línguas originárias de povos (sobretudo indígena e negra), com processos de êxodo e migrações, por influências estéticas dos meios de comunicação, e mesmo por meio de processos de evangelização que dificultam a permanência de certas tradições.

O Ilumiara é formado por Alexandre Gloor (rabecas), Carlinhos Ferreira (percussão), Leandro César (violão e marimba), Letícia Bertelli (voz) e Marcela Bertelli (voz).

Preço – R$25,00

Faixas:

01 - Auto do Fim de Capina
02 - Penerô Gavião
03 - Punhadim
04 - Lavadeiras
05 - Toadas de Remeiros
06 - Canto do Tropeiro
07 - Das Pedras
08 - Machadeiros
09 - Fiandeiras
10 - Vissungos
11 - Senhora Santana
12 - Capoeira


quinta-feira, 10 de março de 2016

Marku Ribas + Samba (2015)

Fazer exatamente igual ao que Marku Ribas faria todos sabem que é impossível. “Era uma pessoa muito complexa. Tinha várias ideias, vários projetos, era muito sensível. Igualzinho a gente sabe que infelizmente não podemos, mas a gente tenta”, diz a filha e também artista Lira Ribas. Ela e a irmã Júlia Ribas se juntam a vários artistas para o lançamento de + Samba, CD gravado por Marku três meses antes de morrer.

O repertório tem sambas até então inéditos assinados pelo mineiro. “Foi uma correria porque ele estava se sentindo pronto para gravar e ir embora. Ele avisou que qualquer coisa que acontecesse era para levar o projeto adiante”, lembra Júlia. O disco teve a produção musical de Lucas Telles e Brasilino com direção musical de Barral Lima.

“É um samba em que Marku canta as próprias origens. Não se parece com nada, é realmente muito dele”, afirma Barral. Para o produtor, está claro uma maneira muito própria que ele tinha de compor e também de intepretar. “É um disco que mostra como o é o samba do Marku. Existe chorinho, violão de sete cordas, uma coisa de raiz. Tem uma levada que ninguém faz igual”, elogia Lima.
No show de lançamento a banda será formada Lucas Telles (violão e direção musical, Lucas Ladeia (cavaquinho), Abel Borges (percussão), Digão Nargel (percussão) e Leonardo Brasilino (trombone). Júlia Ribas interpreta seis canções do pai. Para ela, + Samba retrata a realidade de uma vivência musical. “A marca dele foi ter vivido tudo o que quis”, constata a filha mais velha, que subirá ao palco grávida de seis meses da primeira filha, Rute.

Julia conta ter aprendido com o pai a cantar aquilo que acredita. Escolheu interpretar em homenagem a Marku as canções Alerta geral, 500 anos, Cabana e calor, Samba sim e Samba pra Lira (com Cristiano Cunha). Todas as outras participações são de artistas com quem Marku tinha alguma relação afetiva. “O Marco Antônio morreu mas o Marku Ribas está vivo e precisa de algumas pessoas, que somos nós, para levar isso adiante. Entra nosso jeito, nossa cara”, completa Lira.

Marku Ribas faleceu em decorrência de câncer em abril de 2013, o ano em que completou 50 anos de carreira. Foram 12 álbuns lançados, com destaque para Underground (1973), Marku (1976) e Barrankeiro (1977). Tocou com nomes consagrados como Nara Leão, Djavan, Chico Buarque, João Donato, Tim Maia, Marcelo D2 e Emílio Santiago. A convite de Mick Jagger, em 1984, chegou a gravar com os Rolling Stones no álbum 'Dirty Work'. Trabalhou como ator em filmes como Uma onda no ar e Batismo de sangue, ambos de Helvécio Ratton.

Preço – R$30,00

Faixas:
01 – Zabelê e Mãe Dágua – Marku Ribas e Arnaud Rodrigues
02 – Amar é Direito - Marku Ribas
03 – Helena Rosa - Marku Ribas
04 – Quimbanda - Marku Ribas
05 – Areia Movediça - Marku Ribas
06 – Jeito de Felicidade - Marku Ribas
07 – Se a Onça Morrer - Marku Ribas e Luizão Maia
08 – Cabana e Calor - Marku Ribas
09 – Samba de Lira - Marku Ribas
10 – Concorrência Desleal- Marku Ribas
11 – 500 Anos - Marku Ribas
12 – Vexame - Marku Ribas
13 - Choro pro Marku – Lucas Telles

Milton Nascimento – SongBook (2015)



Songbook mais que aguardado pela legião de fãs em seus mais de 50 anos de carreira!

280 páginas contendo 53 partituras, cifras, e os desenhos e diagramas dos incríveis acordes!
Além de um resumo de sua obra, estão neste livro textos de seus parceiros e amigos, onde sua história vai sendo contada informal e poeticamente, em palavras que resumem sua trajetória, sempre ilustrada com fotos emocionantes e históricas.
Preço – R$75,00

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Jorge Dikamba – Cantorias Folguedos e Quintais (2015)

Neste disco Jorge Dikamba apresenta obras autorais que mesclam elementos do erudito e do popular, abordando temas presentes no nosso imaginário com reminiscências melódicas e literárias do rococó, do romantismo e do trovadorismo ibérico, de par com a inconfundível rítmica afro-mineira que caracteriza suas criações.

Em suas canções ecoam vozes múltiplas que remetem à árdua epopeia dos habitantes do agreste, à sonoridade do cerrado mineiro, aos sertões e ao Jequitinhonha, descortinando paisagens e sentimentos.

Amantes, jagunços, tropeiros, cangaceiros e lavradores humildes são personagens de histórias épicas e causos acontecidos nas veredas do sertão, no Brasil profundo.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Folguedos de Quintal – Jorge Dikamba
02 – Incelença Pra Um Adeus Agreste – Jorge Dikamba
03 – Inverno No Sertão – Jorge Dikamba
04 – Benzim – Jorge Dikamba
05 – A Donzela e O Sabiá – Jorge Dikamba
06 – Tapera – Jorge Dikamba
07 – Sonho de Jagunço – Jorge Dikamba
08 – Tropeiro – Jorge Dikamba
09 – Terra Natal – Jorge Dikamba
10 – Meninos do Sertão – Jorge Dikamba e Helena Freitas
11 – Flor Cigana – Jorge Dikamba
12 – Confissão de Um Cangaceiro Arrependido – Jorge Dikamba
13 – Choupana – Jorge Dikamba
 

Podé Nastácia –Ânima Ao Vivo (2015)

Prestes a comemorar 20 anos com a banda Tianastácia, Podé Nastácia se lançou em nova experiência e gravou um CD acústico que tem grande parte das canções assinadas por ele. O álbum Ânima é um projeto paralelo ao da banda, no qual o músico expõe a sua essência musical em 15 canções, sendo 12 de sua autoria e que não foram gravadas pelo grupo.

Com a mesma pegada rock, Podé apresenta um trabalho intimista e com a força de três violões como base do show. Nuances de funk rock, soul e folck music compõe uma atmosfera contemporânea ao trabalho. Gravado ao vivo no CCBB – BH.

No formato voz e violão, o experiente compositor tem seu lado romântico evidenciado em Ânima. “Estou realizando o sonho de registrar coisas que poderiam se perder”, explica o músico que buscou fazer um trabalho acústico para evidenciar uma essência musical, que é o lugar onde tudo começa (voz e violão), sem a presença do baixo, guitarra e bateria. “Componho todas as músicas no violão".

Com canções para sua mãe, para a amiga Cássia Eller, sobre relacionamentos, além de releitura de sucessos como Falsa Baiana e Nobre Vagabundo, Ânima apresenta um Podé que fala de amor e de amizade, sempre de bem com a vida.

O álbum tem participações especiais de Márcio Mello (voz e violão), Lan Lanh (voz e percussão), grupo de percussão do projeto social Querubins (do qual Podé, ao lado de sua mãe Magda Coutinho, é um dos criadores) e do Quarteto Mantra de Cordas, formado por integrantes da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, entre outros.

Vocalista há 19 anos de uma das principais bandas de Rock brasileira, Podé ressalta que Ânima se apropria de experiências íntimas. Em 2016, o Tianastácia celebra duas décadas com o lançamento de um DVD comemorativo, o décimo álbum da banda.

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Meio Dia e 14 – Podé Nastácia Fernando Mello
02 – Ânima – Podé Nastácia
03 – Nada Clichê – Podé Nastácia e Beto Nastácia
04 – Brother Meu – Podé Nastácia e Beto Nastácia
05 – Sambavida – Podé Nastácia
06 – Amor Destrambelhado – Lan Lanh e Márcio Mello
07 – Nobre Vagabundo – Márcio Mello
08 – Cássia – Podé Nastácia
09 – Falsa Baiana – Geraldo Pereira
10 – O Amor – Podé Nastácia
11 – Madá – Podé Nastácia
12 – Em Partes – Podé Nastácia e Virginia Carneiro
13 – Sonoro Djambe – Podé Nastácia
14 – Nem Nos Livros – Podé Nastácia
15 – Seja Você – Podé Nastácia

Ricardo dos Reis – Canção na Cesta (2015)

Certamente é difícil acreditar que o solo de “Sweet Child O' Mine” ou que a emblemática “Construção”, toda terminada em paroxítonas por Chico Buarque, sejam meros objetos de dedicação musical, ao invés de genialidade. Mas para o compositor e cantor mineiro Ricardo dos Reis, 55, a teoria por trás das super-canções tem uma lógica. É isso o que ele tenta explicar através do recém-lançado disco independente “Canção na Cesta”, que além de apresentar um som regional com pegada de baião, bossa-nova e MPB, ensina, através de palestras musicais, os métodos ideais para compor.

Longe de ter a pretensão de desvendar uma receita do sucesso, o músico Ricardo dos Reis, especializado em Educação Musical pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), leva a teoria da sala de aula para a prática simples. “O que quero mostrar é que a disciplina e a rigidez fazem parte da música. Nenhum grande cantor ou compositor espera a inspiração bater. Às vezes ela chega, mas existem caminhos para irmos atrás dela”, avalia o músico.

Com mais de dez anos de experiências musicais, o compositor mineiro avalia que a composição deve ser pensada e tratada como uma tarefa rotineira, assim como bater o cartão de ponto no trabalho ou ir fazer uma prova na escola. Para isso, ele sugere dois passos simples: tirar uma hora específica do dia para compor e registrar tudo por anotações, independente da qualidade do resultado obtido. “Isso é um exercício de estímulo pessoal. Da obrigação de compor, nascem ideias distintas que podem ser aproveitadas aos poucos e com qualidade. Se o músico souber que constantemente pode criar, ainda que não seja nada genial, vários fragmentos dessa criação podem vir a ser boas apostas na música”, diz.

Pensando nisso, o disco “Canção na Cesta” reúne 11 faixas autorais produzidas inteiramente neste processo de composição. “Todo dia eu tirava mais de uma hora para compor e tentava me desapegar, não tocar nem cantar depois do processo. Aí foram nascendo as músicas”, conta. Com parcerias dos músicos Felipe Lobo e Mamour Bah, todo o álbum foi gravado no Sheffield Studio, no bairro Funcionários, em cerca de um ano. No repertório, canções que vão desde o baião “Faixa 1”, passando pelo samba “Faixa 3”, até a balada “Faixa 9”, ao estilo Clube da Esquina.
*por Lucas Simões

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Baião Edificado
02 – Assim Meio Funreggae
03 – Outro Amor
04 – Sem Fronteiras
05 – Ecossamba
06 – Miragem
07 – Canoa
08 – Chove
09 – A Gente Cresce
10 – Blues Pra Você
11 – Canção (Um Poema a Ser Musicado)

Todas as composições de Ricardo dos Reis

Maracatu Lua Nova – Ao Vivo (DVD)

Preço – R$30,00

Fundado em 2002, o Maracatu Lua Nova se dedica exclusivamente à tradição do maracatu de baque virado. Este DVD é o registro do vibrante espetáculo realizado no Teatro Municipal de Nova Lima em novembro de 2008 que contou com mais de 50 integrantes entre batuqueiros, catirinas, baianas, dama do buquê, dama do paço, rei e rainha.

O vídeo conta com 12 músicas interpretadas pelo grupo, entre toadas tradicionais e composições próprias, além de registrar todos os momentos do show, desde sua preparação na sede do grupo em Belo Horizonte, até seu final emocionante no foyer do teatro.

Elcio Lucas – Vago Universo (2016)

Compositor, violonista e cantor brasileiro, Elcio Lucas venceu festivais da canção popular no Brasil, tendo também integrado o Grupo Raízes, com o qual participou nas gravações dos discos “Menino do interior” e long play “Estrada afora”, que traz duas canções suas. 

Em carreira solo gravou o compacto “De Lua” (1983) e o long play “Verde Grande” (1989), ambos independentes. 

Rogéria Holtz, Aline Mendonça, Grupo Raízes e Fatel são alguns dos artistas brasileiros que registraram composições suas. 

Monge zen-budista ordenado pelo Mestre Tokuda Igarashi, Elcio Lucas é doutor em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e atua no Programa de Pós-Graduação em Letras, Estudos Literários, na Universidade Estadual de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil.


Vago Universo traz dentre as 10 canções que compõem esse trabalho musical, o deambular pela cidade-metrópole que se desvela nas letras e nos arrojados arranjos instrumentais de “Terno Azul” e “Pão e vinho”, ou na singeleza acústica de “Estrela”. O sertão se faz presente em “Ventania”, “Caminhos de Minas” e no doce acalanto de “Juriti”. Carência e desejo amoroso são temas em “Deseo” (versos do poeta andaluz, Federico García Lorca) e no balanço contagiante de “Deprê”. As opressões de todos os regimes sobre o cidadão comum são narradas epicamente ao som progressivo de “Saci de Serra” e o flutuar no tempo em “Tempo de trem” (versos de Vitorino Nemésio). 

Assim, Vago Universo resulta num álbum musical eclético da música popular brasileira e estabelece pontos de contato com poetas da Península Ibérica. 

Gravado em Belo Horizonte no estúdio Verde, Vago Universo contou com a participação especial de Leopoldina (voz em “Estrela”), Juarez Moreira (violão solo em “Deseo”), Célio Balona (acordeon em “Juriti”) e com músicos de comprovada competência e invejáveis currículos profissionais: Paulinho Carvalho (baixo elétrico), Esdras Nenén Ferreira (bateria), Cláudio Faria (piano), Ian Guedes (guitarra), Marcelo Andrade (sax e flauta); Marco Lobo (percussão), Geovane Sassá (percussão), Jelber Oliveira (teclado), Mário Castelo (bateria), Enéas Xavier (contrabaixo acústico e elétrico), Marcos Frederico (bandolin), Sérgio Rabelo (violoncelo).


Preço – R$30,00

Faixas:
01 – Tempo de Trem – Élcio Lucas e Vitorino Nemésio
02 – Deprê – Élcio Lucas e Aroldo Pereira
03 – Deseo – Élcio Lucas e Federico García Lorca
04 – Juriti – Élcio Lucas e João Rodrigues
05 – Terno Azul – Élcio Lucas
06 – Ventania – Élcio Lucas
07 – Estrela – Waltel Branco, Élcio Lucas e Meire Valin
08 – Caminhos de Minas – Élcio Lucas
09 – Pão e Vinho – Élcio Lucas e João Rodrigues
10 – Saci de Serra – Élcio Lucas e João Rodrigues