sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Corina Magalhães – Tem Mineira No Samba (2015)

A proposta desse trabalho é de levar o clima de Minas Gerais ao grande público, resgatando e difundindo o samba mineiro versado de seus grandes compositores e intérpretes, na voz da nova geração que marca seu estilo, trazendo uma tendência moderna, apresentando uma sonoridade diferente, fazendo fusões de estilos variados e usando a ideia de desconstruir padrões de como tocar o samba, mas sem perder a essência.

Nesse CD “Tem Mineira no Samba”, Corina mergulha fundo na música que, nascendo em Minas Gerais, ajudou a cinzelar o samba carioca e o repertório nacional.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Morena Boca de Ouro – Ary Barroso
02 – Casa de Marimbondo – João Bosco e Aldir Blanc
03 – Sem Compromisso – Geraldo Pereira e Nelson Trigueiro
04 – Camisa Amarela – Ary Barroso
05 – Escurinho – Geraldo Pereira
06 – Galo e Cruzeiro – Vander Lee
07 – Faceira – Ary Barroso
08 – Aqui é O País do Futebol – Milton Nascimento e Fernando Brant
09 – Ai Que Saudades da Amélia – Ataufo Alves e Mário Lago
10 – Prêt-à-Porter de Tafetá – João Bosco e Aldir Blanc
11 – Falsa Baiana – Geraldo Pereira
12 – Enfeitiçado – Affonsinho
13 – Guerreira – Paulo César Pinheiro e João Nogueira
14 – A Nível de... – João Bosco e Aldir Blanc

Frederico Heliodoro – Acordar (2015)

ACORDAR" é o primeiro trabalho de Heliodoro como cantor e compositor. Nesse projeto, o baixista apresenta dez canções inéditas acompanhado por Pedro Martins na guitarra e Felipe Continentino na bateria. Com a ajuda luxuosa do músico e engenheiro de som Marcelinho Guerra, Frederico, Pedro e Felipe gravaram o novo trabalho ao vivo no Estúdio Locomotiva em fevereiro de 2015 em Belo Horizonte buscando desenvolver um projeto rico em musicalidade, sonoridades e inovações. O resultado alcançado mostra mais uma vez, que os envolvidos possuem uma conexão musical diferenciada e totalmente perceptível pelo ouvinte. Experimentações, arranjos modernos e timbres meticulosamente modelados em tempo real são fáceis de notar ao longo do disco. As canções apresentam ao públicouma tranquilidade ao se enxergar situações cotidianas, sem deixar de
lado a profundidade dos sentimentos humanos.

Caminhando rumo ao futuro, “ACORDAR” nos convida a sentir novas nuances e atmosferas, mantendo igualmente fortes os momentos onde a improvisação visceral do jazz e a interpretação lancinante dos músicos impõem o caminho a cada canção executada. Frederico Heliodoro é bacharel em Música Popular pela Universidade Federal de Minas Gerais. Filho do guitarrista, Affonsinho Heliodoro, o baixista teve desde muito cedo contato direto com a música, aprendendo a tocar guitarra e violão aos 6 anos de idade. Ganhou o prêmio BDMG Instrumental em 2009 e acompanhou vários outros ganhadores nos anos seguintes. Em 2011, passou 3 meses em Nova Iorque, onde fez aulas com músicos renomados como Mike Moreno e Ari Hoenig, com quem veio a tocar junto no futuro. Com 4 discos instrumentais gravados e o primeiro de canções recém saído do forno, Heliodoro é, sem dúvida, um dos maiores nomes de sua geração. Já dividiu palco com importantes artistas como Leo Gandelman e Toninho Horta e já trabalhou com diversos compositores mineiros.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Vai
02 – A Força da Palavra
03 – Sonho
04 – Oásis
05 – Conclusão
06 – Supra Estrelar
07 – Filme
08 – Lico Lico
09 – Mas Me Deixe A Saudade
10 – Tudo Bem

Todas as faixas compostas por Frederico Heliodoro

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Ana Cristina – Aquático (2015)

 "Ana Cristina tem o dom de encantar a criançada.
Ela os eletriza.
E o que torna ainda maior este dom
é a capacidade que ela tem de também seduzir
os adultos com a sua arte.

Alô pais, avôs, tios, padrinhos e todos que têm uma criança por perto, "Aquático" é um presente que agradará aos pequenos e fará a alegria
dos marmanjos, que poderão compartilhar juntos
a alegria inteligente e  bela de Ana Cristina."
por Aquiles Rique Reis, MPB4

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Jacaré no Mar – Chico Lobo e Ana Cristina
02 – Tanta Água – Márcio de Camilo e Ana Cristina
03 – Guaiamun – Silvério Pessoa
04 – No Azul – Luiz Rocha
05 – Sai Dessa Toca, Moreia – Ana Cristina e Caio Gracco
06 – Estrela-do-Mar – Ana Cristina
07 – Tartaruga Marinha – Kristoff Silva e Bernardo Maranhão
08 – A Senhora Arraia – Socorro Lira
09 – Cavalo-Marinho – Flávio Henrique
10 – Da Lagosta, Eu Gosto! – Érika Machado
11 – Água-Viva – Fernanda Sander
12 – Baleia Jubarte – Ana Cristina

Coração Palpita – Cara de Quê? (2015)

Um dia, de um ideal, surgiu o projeto Abrigo na Arte, como forma de levar educação de valores através da música e do teatro para as crianças do Abrigo Jesus, uma instituição escola que atende inúmeras crianças materialmente carentes. Sem pretensões o projeto foi tomando corpo e de dentro dele surgiram alguns CDs que acabaram dando origem ao Grupo Coração Palpita. O início do projeto foi a mais de 3 anos e só agora o Grupo está avançando para além dos limites do Abrigo Jesus para lançar o seu primeiro CD oficial.

As músicas do grupo são divertidas e contagiantes, despertando não só as crianças, mas também as crianças adormecidas em muitos adultos. E todo o repertório tem sido criado dentro desse ideal de valores.

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Plantar Sonhos
02 – Mude o Pensamento
03 – Cara de Quê?
04 – Correria
05 – O Poder Que O Sorriso Tem
06 – Trá Lá Lá!
07 – Um Mundo Melhor
08 – Poetas de Nariz
09 – Meu Coração Palpita

Todas as composições de Coração Palpita

Gustavo Maguá - Esquema Fino (2015)

O segundo disco de Maguá revela um considerável amadurecimento musical, desde seu primeiro trabalho lançado em 2011. Este novo álbum apresenta dez canções de variados ritmos e estilos, como o  samba-rock, samba, baião, maxixe, afoxé e calango, mostrando a força e qualidade musical do artista, que tem a composição como uma de suas maiores virtudes.

O disco abre com uma ode as mulheres brasileiras, passa pela fofoqueira, conta a labuta de um estagiário, aborda relações em casais, os boêmios no bilhar, enfim, retrata com boas letras populares, o comportamento das pessoas em seu dia a dia.

A produção musical do álbum foi pelo próprio Maguá em conjunto com o músico carioca Tiago Silva, que também toca as baterias. A forma como o caçula do renomado baterista Robertinho Silva concebeu as levadas, deixaram as músicas com uma identidade especial, com muito groove e swing.

Maguá teve como grande referência, para este novo trabalho, dois clássicos do balanço brasileiro: Samba Esquema Novo, de Jorge Ben Jor, e Samba Esporte Fino, de Seu Jorge. Inclusive, um dos grandes parceiros de Seu Jorge, Gabriel Moura, com quem compôs vários hits como: “Burguesinha”, “Mina do condomínio”, “Amiga da minha mulher”  também marca presença no disco de Maguá, tanto na composição conjunta das faixas “Estagiário” e “Nosso Amor” Não tem Jeito, como nos vocais dessa última.

Além de Gabriel e Thiago, o disco abarca muita gente talentosa. De São Paulo veio Marco Mattoli, do Clube do Balanço, que faz as honras em “Nem Amor, nem Guerra”. Essa faixa, claro, traz um lindo e lamurioso samba-rock.

A gravação foi realizada no eixo Rio-BH e contou com um grande time de músicos. Do lado carioca estão Rodrigo Braga (teclados/piano), Afonso Velasques (baixo), Nelson Burgos (guitarra), Vanderlei Silva (percussão). Junto com Thiago e Maguá, eles gravaram, no formato ao vivo, no Estúdio C&A. Em BH, Leonardo brasilino(trombone) fez os arranjos de metais e ao lado de Juventino Dias(trompete) e Sergio Danilos(sax). Os amigos da música marcaram presença, como o rapper Flávio Renegado e os compositores Rai Medrado, Heleno Augusto, Marcos Frederico e Paulinho Motta. Thiago Delegado fez o arranjo de cordas e sopros em Horizonte do Forró, além de tocar faixa Vá viver a sua vida.

Esquema Fino é um disco singular que embaralha e sintetiza acentos de Minas e do Rio, o deixando muito especial.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Beleza Só – Gustavo Maguá e Flávio Renegado
02 – Fofogueira - Gustavo Maguá e Heleno Augusto
03 – Nosso Amor não tem Jeito - Gustavo Maguá, Flávio Renegado e Gabriel Moura
04 – Estagiário - Gustavo Maguá e Gabriel Moura
05 – Meu Bem – Gustavo Maguá  e Rai Medrado
06 – Nem Amor Nem Guerra - Gustavo Maguá e Flávio Renegado
07 – Horizonte do Forró – Gustavo Maguá, Marcos Frederico e Paulinho Motta
08 – Samba do Olavo - Gustavo Maguá  e Rai Medrado
09 – Filé a Dois - Gustavo Maguá
10 – Vá Viver a sua Vida - Gustavo Maguá e Paulinho Motta


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Cacá Lucena – Fogo & Ar (2015)

Este é o sexto disco autoral de Carlos Lucena. Apresentando uma poética quase sempre voltada para questões sociais e temas místicos ligados à natureza, ele trata com delicadeza conflitos da existência humana. Na trajetória, registra a participação de valores como Lô Borges, Tadeu Franco, Paulinho Pedra Azul, Sérgio Moreira, Pereira da Viola, Fernanda Lucena, Dércio Marques, Mozart Mello e outros. Lançou seis discos – “Raízes do franco”, de 1982, “A dança das folhas”, de 1985, “Pomar dos deuses”, de 1992, “Brisa aos homens”, de 1999, “Jogo do jogo”, de 2007, e agora, “Fogo e ar”, de 2015.

Lucena acredita que o maior diferencial da nossa música está no “jeito de fazer” do artista brasileiro, que ele chama de “unidade da mistura”, concebendo sem xenofobia a diversidade cultural do mundo, em um país que se consolida culturalmente pela capacidade do seu artista em absorver e processar informações. No novo CD,“FOGO E AR”, isso é evidente.

“As composições do CD “Fogo e Ar” foram elaboradas ao longo dos últimos sete anos, a partir da percepção, cada vez mais proeminente, dos rumos que a humanidade vem dando às suas relações sociais e afetivas e ao meio ambiente. Referem-se ao modo como estamos encaminhando e viabilizando as condições de vida em nosso planeta, e a qual herança estamos deixando paras as futuras gerações.

Com exceção das canções “Franco”(Carlos Lucena),composta e gravada na década de 1980 e constante do disco “A dança das folhas”, “Cafuzo”,de autoria de Sérgio Moreira, e do clássico “O trenzinho do caipira”, de Heitor Villa Lobos, a qual foi utilizada em um pot-pourri com amúsica“ Nos trilhos da baiminas” (Carlos Lucena) e conta a história da extinta estrada de ferro que ligava os vales do Jequitinhonha e do Mucuri ao mar, todas as demais composições são inéditas, incluindo uma em parceria com Paulinho Pedra Azul, a música “Vejo assim”.

As gravações foram realizadas sem nenhuma preocupação com compromissos que não fossem a valorização artística da composição, como as cores e os contornos que cada som poderia agregar às músicas. E, apesar do direcionamento que eu dava aos arranjos, todos os músicos tiveram liberdade na execução dos instrumentos e contribuíram de maneira brilhante para formatação dos mesmos.
O CD “Fogo e ar” representa para mim bem mais do que uma realização profissional. Representa, sobretudo,a confirmação de que a felicidade está na leveza despretensiosa dessa busca, sem ambicioná-la a qualquer custo. E “Terras pra que te quero”!...Commuita “Estrela-guia” e a noite presa no luar !.. (Carlos Lucena)

“É difícil encontrar um artista que faz da sua arte uma interligação com a própria vida. Grande parte dos artistas possuem duas ou mais imagens, e a que transparece no palco é bem diferente daquela apresentada no cotidiano. Com Lucena isso não acontece. A sua arte é ele próprio. A sua proposta musical reflete o seu ideal de vida contida na sonoridade de sua música e de sua poesia. Romântico e essencialmente místico, Cacá Lucena acredita no aprimoramento do homem como ser sensitivo. Lucena goza de um respeito e prestígio que poucos artistas, mesmo vivendo em grandes centros não conseguem ter. É um artista extremamente talentoso, dono de uma voz bela e calibrada, e mantém a mesma simplicidade, transformando o ato de cantar numa atitude tranquila”. (Carlos Felipe, jornalista e folclorista)

Preço – R$20,00

Faixas:
01 – Terras Pra Que Te Quero – Carlos Lucena
02 – Estrela-Guia – Carlos Lucena
03 – Amor Sem Fim – Carlos Lucena
04 – O Fogo da Paixão – Carlos Lucena
05 – Na Luta do Seu Dia – Carlos Lucena
06 – Cafuzo – Sérgio Moreira
07 – Vejo Assim – Carlos Lucena e Paulinho Pedra Azul
08 – Nos Trilhos da Baiminas/O Trenzinho do Caipira – Carlos Lucena/Heitor Villa-Lobos
09 – Franco – Carlos Lucena
10 – Fogo e Ar!... água e terra – Caros Lucena
11 – Pra Quê Tanta Pressa – Carlos Lucena

Bona Fortuna – Reviver (2013)

Com o álbum Reviver, o segundo da Bona Fortuna, a banda mineira deixa evidente seu talento em contar histórias em bonitos versos de palavras simples embaladas por melodias otimistas e uma gostosa pegada Folk Rock.

Ele começa já com sua melhor música, A Solidão. Ela tem um sorriso amarelo com uma certa tensão nas entrelinhas, algo que fica claro no grito processado após o verso “e volto a me render à solidão” perto do final. Meio marchinha popular, meio roqueira, ela tem uma energia única que não se repete ao longo do álbum. Ela serve como introdução ao tema que virá pelo restante das faixas, mas fica a sensação que ela entra logo na abertura como uma maneira de tirá-la logo do caminho, já que tudo fica mais florido a partir da próxima. Sorte de quem der o play.

A dupla que vem a seguir mostra logo nos títulos o tal otimismo que tanto dá cara ao disco: Aprender a Viver e Por Uma Felicidade. Com os timbres bem demarcados, dá para sentir bem a proposta do grupo, que só cresce após a “fofa” Preto e Branco.

É que a sequência seguinte é como uma longa música dividida em três faixas. Começando porCândido e o Eldorado, ela emenda em O Leviatã e em De Pouco em Pouco. Com um certo aspecto meio teatral, meio circense, nos faz perceber o quanto o álbum foi feito também sendo pensado já nos shows - e deve ficar ainda melhor, imagino.

O Que Ficou Pra Trás vem como um respiro depois de tanta energia e tem uma certa cara de “fim de festa”, mas ela logo dá espaço para Recado, parceria da banda com Phillip Long, que aparece aqui cantando em inglês em uma honrosa participação, criando aí o ápice da obra, que se encerra comEssa Força e uma guitarra esperta acompanhando as vozes.

Para uma obra de Folk Rock com pegada caipira, faltou uma bela dose de sujeira no som. É tudo muito nítido às vezes, muito trabalhadinho, como uma restauração muito clara em uma peça que por si só poderia ser mais rústica, ainda mais com letras que são boas justamente por serem simples, verdadeiras.

Isso não chega a atrapalhar, mas é o tipo de escolha, assim como a energia que só aparece em A Solidão, que poderia ter criado um disco memorável. De qualquer forma, Reviver é um disco feel good que sabe cumprir seu papel nesse aspecto, além de nos dar alguns bons versos que ficam na cabeça após a audição, como “Você é o que errou” (O que Ficou pra Trás) ou “Foram tantos risos e choros, só de alegria não se vive não” (Preto e Branco).

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – A Solidão – Filipe Oliveira
02 – Aprender a Viver – Filipe Oliveira
03 – Por Uma Felicidade – Filipe Oliveira
04 – Preto e Branco – Filipe Oliveira
05 – Cândido e o Eldorado – Filipe Oliveira
06 – O Leviatã – Filipe Oliveira
07 – De Pouco em Pouco – Filipe Oliveira e Lucas Oliveira
08 – O Que Ficou Prá Trás – Filipe Oliveira
09 – Recado – Filipe Oliveira e Phillip Long
10 – Essa Força – Filipe Oliveira

Marcelo Vouguinha – Forró no Quintal (2015)


O CD “Forró no Quintal” é resultado do projeto idealizado pelo compositor Marcelo Vouguinha de BH, que traduz neste trabalho a sua poesia romântica e filosófica em canções com o forró nordestino. Neste estilo musical genuinamente brasileiro o CD traz um som alegre e dançante com suas raízes simples, mas com arranjos bastante elaborados e numa estética instrumental bem refinada.

O compositor convidou amigos cantores e cantoras, todos do cenário musical da música mineira, além do primo Raphael Carias que desenvolve seu trabalho no Rio de Janeiro.

Os arranjos são assinados pelo experiente e talentoso músico Aírton Prates natural de Fronteira dos Vales - MG, entre o Jequitinhonha e o Mucuri. Ele é o responsável pela execução e gravação, contando com a participação de músicos da banda nordestina “Trio Potiguá”, sendo Zezinho Preá - sanfona, João Preá - zabumba e John Man - baixo.

Participação especial de Matheus Félix - violino e Ivan Bahia – percussão, ambos do grupo mineiro “Menina do Céu” de MPB e forró. Gravação de voz, mixagem e masterização Studio RM – Belo Horizonte, exceto voz da faixa 12 gravada no Rio de Janeiro. Projeto Gráfico do artista  Adriano Alves e fotografia de Cláudia Cunha. Apoio e clipes Vitor Vouguinha.

Preço – R$20,00

Faixas:

01.Ciranda do Forró - Dani Morais
02.Brincar de Beijo - Enio Cotta
03.Xote da Estrada Real - Tau Brasil
04.Forró no Quintal - Lima Junior
05.Porto do Sol – Bilora
06.Conviver - Wilson Dias
07.Jardim da Alma - Augusto Cordeiro
08.Romântico sem Fim - Serginho Marques
09.Tangará - Carlos Farias
10.Tambor do Sentimento - Mozão Muniz e Geisa Carneiro
11.Na Beira do Mar - Lucinho Cruz
12.Boca do Desejo - Raphael Carias


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Ana Cristina – Sobre o Tempo (2015)

A cantora itabirana radicada em Belo Horizonte, Ana Cristina lança o oitavo disco da sua carreira, “Sobre o Tempo”.

Neste disco, Ana fez uma pesquisa em canções que abordam o tempo como tema, trazendo suas influências e suas lembranças. Os compositores das canções do disco são de épocas diversas, levando o ouvinte a um passeio ao avesso do relógio sob o som de Assis Valente a Cazuza, de Ataulfo Alves a Sérgio Moreira, compositores de várias tendências desfilam sua versão musical sobre o tempo.

Trata-se de um disco delicado que apresenta o tempo como base de nossa vida, questionamentos e comportamento.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – O Amanhã – João Sérgio
02 – Oração ao Tempo – Caetano Veloso
03 – E o Mundo Não Se Acabou – Assis Valente
04 – O Último Dia – Paulinho Moska e Billy Brandão
05 – O Tempo Não Para – Arnaldo B e Cazuza
06 – Sentimental – Chico Buarque
07 – Tempo Perdido – Renato Russo
08 – Paciência – Lenine e Dudu Falcão
09 – Sobre o Tempo – John Ulhôa
10 – Tempo Rei – Gilberto Gil
11 – Time’s Not Money – Leri Faria e M. Avelar
12 – 2001 – Rita Lee e Tom Zé
13 – Confidência Maneira – Sérgio Moreira
14 – Eu No Futuro – Lula Queiroga
15 – Tempos Modernos – Lulu Santos

Rubinho do Vale – Inventa (2014)

Rubinho do Vale é mais uma vez seduzido pela magia do universo infantil: o cantor e compositor mineiro lança, o livro-CD “Inventa”, seu oitavo trabalho dedicado ao nicho com o qual começou a dialogar há cerca de 20 anos, paralelamente à carreira direcionada ao público adulto.
Em “Inventa”, produção independente, o artista quis fazer jus ao título. “Há algum tempo vinha trabalhando com a ideia de fazer um disco com o formato de revista, que pudesse ter ilustrações mais alegres. Chamo de CD-livro”, observa.

Rubinho convidou dois “antigos” parceiros para a realização do projeto gráfico – os cartunistas João Batista Melado e Wagner Matias Andrade, que já tinham trabalhado com ele em seu primeiro trabalho (ainda LP) “Tropeiro de Cantigas”, de 1982.
Ritmos brasileiros

O novo CD contempla alguns ritmos bem brasileiros: frevos, marchas, adaptação de canções folclóricas. Entre as canções, uma em particular chama atenção: “O Gari”, homenagem aos anônimos trabalhadores da limpeza urbana da cidade, que traz a participação, nos vocais, do menino Petros de Barros, filho de um amigo, que voluntariamente se vestiu de gari em sua festa de aniversário.

Rubinho lembra que criar para criança demanda, acima de tudo, respeito. “É um público muito esperto, sincero e sensível. No final dos anos 1980 já tinha o desejo de fazer música para criança, mas com o devido cuidado, inclusive com uma linguagem coloquial, abordando temas sobre a natureza, o respeito ao próximo, à cidade. Mas sempre tive o cuidado de passar isso de forma lúdica”, explica, descartando qualquer pretensão didática.

Apesar de preferir trocar a “ansiedade” pelo “amadurecimento” das ideias em seus trabalhos, o cantor, que, como o sobrenome artístico indica, nasceu no Vale do Jequitinhonha (mais precisamente, em Rubim), tem uma produção profícua destinada ao mundo infantil.

Depois do primeiro trabalho dedicado a este universo, “Sou Criança”, do início da década de 1990, vieram parcerias com a violinista Cláudia Duarte – casos de “Verde Maravilha”, “Trem da História” e “Natureza em Canto” – e outros como “Enrola-Bola”, “Passarim – o Palhaço Cantor”, “Verde Maravilha” ou “Arraiá do Rubinho”. E, ainda, o audiolivro “Ser Criança”, de canções, letras e partituras.
por Pedro Artur - Hoje em Dia

Preço – R$28,00

Faixas:
01 – Inventa – Rubinho do Vale
02 – O Poema é a Fruta – Francisco Marques (Chico dos Bonecos)
03 – O Carteiro Poeta – Rubinho do Val
04 – Arvoredo – José Carlos Aragão e Rubinho do Vale
05 – Brinquedos de Papel – Rubinho do Vale
06 – Parece Coisa de Outro Mundo – Adaptação: Rubinho do Vale e Francisco Marques (Chico dos Bonecos)
07 – Brincando Com Mané Pipoca – Adaptação: Rubinho do Vale
08 – Dinossauro – Naiara Jardim e Rubinho do Vale
09 – Sombra – Rubinho do Vale e Francisco Marques (Chico dos Bonecos)
10 – O Gari – Rubinho do Vale
11 – Tudobolô – Rubinho do Vale e Francisco Marques (Chico dos Bonecos)
12 – Meu Chapéu, Minha Viola e Minha Música – Adaptação: Rubinho do Vale
13 – Arco-Íris – Rubinho do Vale

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Marcelo Jiran – Choro de Martelo (2015)


Depois do “Porta-retratos”, CD independente lançado em 2010 e no qual Jiran gravou alguns dos mais de vinte instrumentos que toca, é a vez do “Choro de Martelo”, CD também independente.

Desta vez, Jiran escolheu exclusivamente seu principal instrumento e mais antigo companheiro, o piano, para ser o protagonista do novo trabalho que tem no repertório cinco temas autorais, um do maestro Gilson Peranzzetta em parceria com Nelson Wellington, dois de Jiran em parceria com o genial Yamandu Costa e mais dois temas de Yamandu, somando dez músicas, todas elas com diferenciados arranjos de Jiran e seu singular modo de interpretar.

Dentre as diversas ramificações das composições desse múltiplo artista, o Choro é uma de suas predileções. Levando esse envolvente estilo à uma diferente linguagem “pianística”, Jiran mistura a essência do Choro das rodas com a essência da música Erudita, e nomeia o resultado “Chorudito” (estrutura predominante no disco).

Gravado ao vivo no conceituado “Bemol Studio”, num belíssimo Piano Yamaha C2, o “Choro de Martelo” carrega consigo uma sonoridade serena e madura, e com muita honra recebeu em seu encarte um recado especial, de Gilson Peranzzetta onde se lê o seguinte trecho: “(...) Neste CD Marcelo Jiran soube usar sua excelente técnica a favor da emoção. Suas composições são maravilhosas, o som que ele tem ao Piano é lindo! (...)

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Dokktor no Choro - Marcelo Jiran
02 – Lia - Marcelo Jiran
03 – Chorinho pro Hermeto - Marcelo Jiran
04 – Ressurgir – Gilson Peranzzetta e Nelson Wellington
05 – Conversa de Aranha – Yamandu Costa e Marcelo Jiran
06 – Alma Expressa - Marcelo Jiran
07 – Prosa No 1 - Marcelo Jiran
08 – Sérgio na Varanda - Yamandu Costa
09 – Teu Caminho - Yamandu Costa e Marcelo Jiran
10 – Samba pro Rafa - Yamandu Costa

Murilo Santiago – O Mundo é Cada Um (2015)

Salão Azul, Pro Sol Rair e Meus Orixás. Estas são algumas das canções que abrilhantam o novo CD do letrista mineiro Murilo Santiago. O disco foi gravado mixado e masterizado em 2014 e
traz algumas participações especiais, como a interpretação de Vander Lee, na canção Maria das Dores, Kadu Vianna, em Matéria do Sonho, Toninho Horta, em Sobre o Meu Chão, Mariana Nunes, em Inverno e outros.

O disco tem 12 faixas e propõe para o ouvinte uma viagem musical de qualidade com influencias que vão do Samba ao Jazz.

De acordo com Murilo Santiago, os artistas que interpretam suas canções foram escolhidos a dedo. Para ele, o resultado além do esperado. “Sou um compositor e não um cantor, e fico grato a estes grandes artistas que aceitaram meu convite, qualificando meu trabalho”, descreve.

Sobre a gravação do disco, Murilo Santiago conta que durante uma viagem ao Chile, surgiu a inspiração que faltava. “Eu viajava para o Chile e escrevia a canção que falava do sonho virando matéria do sonho. Dei-a por encerrada no quarto de hotel, não por acaso, em Santiago. Dias depois, visitando a casa de Neruda, li o verso num quadro: ‘…asi cada maña de mi vida traigo del sueño outro sueño …’. A canção ficou dormindo na gaveta durante muito tempo, esperando sua manhã”, filosofa.

Ainda para Murilo Santiago, “outras canções vieram, como os sonhos, fazendo e refazendo e eu viajando, voltando sempre, porém às nossas montanhas, aos nossos santos e orixás, cidades e amores; ao meu mundo, que cada um tem o seu. Entre Nova York e Santiago tem Minas no meio e sonhos que se renovam (e cada um tem o seu)”, estampa Murilo Santiago na capa interna do CD.

Preço – R$25,00

Faixas:
01 – Salão Azul (O Urubu e a Pipa) – Toninho Ferraguti e Murilo Santiago
02 – O Mundo é Cada Um – Murilo Santiago
03 – Maria das Dores – Murilo Santiago
04 – Meus Orixás – Murilo Santiago
05 – Sinhá Moça – Murilo Santiago
06 – Inverno – Gustavo Figueiredo e Murilo Santiago
07 – Missin’You -  Murilo Santiago e Margret Grebowicz
08 – Pro Sol Raiar – Murilo Santiago
09 – Chet – Thiago Nunnes, Murilo Santiago e Margret Grebowicz
10 – Sobre O Meu Chão (De Volta a Belo Horizonte) – Cléber Alves e Murilo Santiago
11 – Matéria do Sonho – Murilo Santiago
12 – Chet (Faixa Bônus) – Thiago Nunnes, Murilo Santiago e Margret Grebowicz

Affonsinho – Bluesing (2015)

Em seus shows, Affonsinho sempre guarda um momento para flertar com o estilo musical pelo qual é apaixonado, o blues. “Mesmo gravando bossa nova ou MPB, na hora do solo, eu sempre toco a escala do blues, a pentatônica”, diz o músico, que, após 15 anos dedicados a outros gêneros, materializou essa paixão pelo blues em forma de disco.

“Bluesing”, como foi batizado o álbum, veio como um desafio bom para Affonsinho. “Não tive dificuldade em produzir este disco porque é como se todas essas canções estivessem guardadas numa gaveta durante estes 15 anos”.

O disco traz 11 faixas autorais, compostas em inglês. Apesar de ter morado um tempo nos EUA e ter facilidade com a língua na hora de conversar, Affonsinho – que é mestre em brincar com as palavras –, teve um certo trabalho para colocar as letras no papel. “‘Filosofar’ ou escrever letras é bem mais difícil”, revela.

Repleto de referências aos seus ídolos na música, como B.B. King, Jimi Hendrix, Eric Clapton, Stevie Ray Vaughan e Roy Buchanan, “Bluesing” carrega a essência do blues repleto de balanço. Affonsinho destaca três músicas: “I Love To Love You”, balada ao estilo de Eric Clapton; “Blues For Riley”, um caloroso tributo ao mestre B. B. King; e “Jimi’s Vibe”, uma faixa instrumental composta em homenagem a Jimi Hendrix.

Questionado sobre a cena blues na atualidade, ele não titubeia. “Nos EUA e Inglaterra, continua cada vez mais forte... Ginásios lotados e rostos felizes ouvindo tanta música de qualidade. No Brasil, claro, não estamos assim, mas vejo um fortíssimo movimento do blues acontecendo, principalmente em BH”, analisa.

Como nos discos anteriores, Affonsinho convidou “amigos musicais” para participar desse trabalho: Gustavo Andrade, Auder Júnior, Péricles Garcia, Márcio Durães e Alexandre da Mata. “Já tenho parcerias com eles e foram os caras que me estimularam a voltar ao blues. Não posso me esquecer de Alexei Michailowsky. Esse foi o que mais falou na minha cabeça: Você tem que gravar blues!”.
por Vanessa Perroni - Hoje em Dia

Preço – R$28,00

Faixas:
01 –I Love To Love You – Affonsinho
02 – Just Stay – Affonsinho
03 – Love’s Philosophy – Affonsinho sobre poema de Percy Shelley, adaptado por Fábio Leite
04 – Jimi’s Vibe – Affonsinho
05 – Elvislike – Affonsinho e Kiko Ferreira
06 – Blues For Rilley – Affonsinho
07 – Set Me Free – Affonsinho
08 – Take Care – Affonsinho
09 – Where? – Affonsinho
10 – It Happens That – Affonsinho
11 – Aff’s Shuffle – Affonsinho